Publicidade

Violência aumenta. Governo nem se importa. Policiais vão parar.

É preocupante o crescimento da violência no Maranhão, principalmente na capital do estado. Mesmo com atuação constante da Polícia Militar, a população sente na pele, no dia a dia, uma insegurança sem precedentes. A violência explode no sistema carcerário, nas ruas, e nem em casa o cidadão se sente seguro.

Na última quinta-feira (06), o assunto foi levado à tribuna da Assembleia Legislativa do Maranhão pela deputada Eliziane Gama (PPS). A parlamentar lamentou o aumento do número de crimes no período carnavalesco, em comparação com o ano passado e se solidarizou com as famílias das vítimas da violência. No carnaval do ano passado, foram 11 mortes violentas na Ilha de São Luís e, este ano, 16 homicídios foram registrados pela Secretaria de Segurança Pública, ou seja, 05 homicídios a mais. Foram pelo menos 4 mortes por dia no período carnavalesco.

Leia também:

Assaltos a ônibus e roubo a motos voltam com tudo em São Luis

Fim de semana com 8 mortes

Na tribuna, a deputada fez referências aos dados que mostram crescimento do número de mortes e violência. “Nos últimos 04 anos, a violência no Maranhão tem crescido muito. De 2010 para 2014, houve crescimento de quase 100% nos casos de morte violenta no Maranhão. Em São Luís, por exemplo, aumentamos de 500 mortes para praticamente 1000 mortes de 2010 para 2014, e do ano passado em relação à violência no período de carnaval, tivemos aí um aumento de 05 mortes nesse período, ou seja, algo realmente preocupante”, completou Eliziane.

O assunto já havia sido levado à tribuna pelo deputado Othelino Neto (PC do B), no final do mês passado, quando demonstrou preocupação com o descontrole da segurança e da ameaça de greve por parte dos militares. Reveja aqui.

Os policiais militares e bombeiros fizeram uma manifestação no dia 26 de fevereiro e protestaram em frente ao Palácio dos Leões para alertar o Governo do Estado sobre a questão de segurança, perdas salariais e desvalorização profissional. De lá pra cá foi desencadeada a ‘Operação Legal’, uma espécie de operação tartaruga. Os que os militares querem é que o governo do estado apresente as implementações e as melhorias que foram prometidas por época da greve de 2011.

Diante da inércia do governo Roseana Sarney, Policiais militares e bombeiros prometem cruzar os braços nesta quinta-feira (13). De modo que é preciso ficar atento, pois, se com a Polícia trabalhando, a insegurança reina, imagine o caos se, de fato, os policiais e bombeiros entrarem em greve.

O Maranhão tem hoje o menor efetivo com 1 policial para cerca de 900 habitantes, quando a média recomendável da ONU é de pelo menos 1 policial para cada 300 habitantes. Em Brasília, por exemplo, a proporção é de 1 para 168, a melhor do país. Mesmo depois do concurso realizado pela Secretaria de Segurança Pública, o quadro não muda. Os novos policiais servirão apenas para preencher vagas que estão se abrindo em razão de afastamento de policiais da antiga, seja por tempo de serviço ou quaisquer outras razõs. Mas isso o governo faz questão de esconder. E apregoa na propaganda a entrada desses novos policiais como “reforço na segurança”. Mais uma conversa fiada.

Falando nisso, leia como é que o governo reforçou a segurança no carnaval: Policiais recém-formados usados, abusados e descartados pelo governo

 

 

Busca