Publicidade

Reação dos governistas à pesquisa DataM

Querendo minimizar os impactos da pesquisa do Instituto DataM, divulgada nesta segunda-feira (03) pela TV Cidade/Record, governistas já tentam de todas as formas achar argumentos para colocar dúvidas sobre o resultado. Eles não podem questionar os números por um razão muito simples. O governo faz sondagens periódicas e as pesquisas de consumo interno deles mostram exatamente números compatíveis com os dados da pesquisa DataM.

Engana-se quem pensa que os resultados apresentados pela TV Cidade causaram alguma surpresa para o grupo Sarney. O maior impacto é pelo fato de que a pesquisa foi registrada no TSE e, portanto, pôde ser divulgada. Coisa que eles nunca fizeram com nenhuma pesquisa contratada porque os números sempre foram desfavoráveis ao secretário-candidato. Tanto que o que se vê é o candidato do governo em campanha aberta pelo interior do estado, numa tentativa desesperada de ganhar popularidade, atropelando, inclusive, a lei, utilizando a estrutura do estado para fazer campanha fora de época.

Sem poder questionar a vantagem enorme do pré-candidato da oposição, os governistas empreendem esforços em analisar letra por letra o questionário utilizado na pesquisa, a metodologia, o que for possível, na tentativa de achar algo que possa desqualificar o levantamento sem entrar no mérito do resultado, pois esse eles não podem negar.

Se não fosse o DataM o instituto que mais acertou nas últimas eleições, inclusive “na mosca”, é certo que já estariam caindo matando em cima. Aguardem, que logo os “analistas de plantão” e “especialistas em pesquisa” aparecem com suas teorias estapafúrdias. Mas, enfim, eles estão fazendo o papel deles.

 

Busca