Publicidade

Gaúcha que esculhambou o Maranhão não passa de uma “jomenta”

Com um texto sofrido, cheio de erros de português, a gaúcha Isabela Cardoso, de 24 anos, escreveu comentários preconceituosos contra o povo do Maranhão numa rede social. Ela revela que passou pouco mais de um ano e meio morando na cidade de Imperatriz, junto com o esposo que trabalhava na empresa Suzano Papel e Celulose.

Depois de todo esse tempo, a “jomenta” sequer aprendeu a escrever o nome da empresa. Isabela não sabe nada a respeito do que fala, acha que conhece a nossa cultura, mas chama a tradicional brincadeira maranhense de “bomba meu boi”. Classifica o povo de semi-analfabeto, as mulheres de piriguetes e os homens de malandros. Veja:

 

 

De acordo com a legislação, a xenofobia pode ser definida como prática, indução ou incitação de preconceito de raça, cor, etnia e religião. O crime está previsto no artigo 20 da Lei nº 7716/89, com pena de reclusão, que pode variar de 1 a 3 anos e multa. Se for cometido por intermédio dos meios de comunicação, como pela internet, a pena pode ser agravada de 2 a 5 anos e multa, conforme o parágrafo 2º da mesma Lei.

 

 

Busca