Publicidade

ESMOLAS: DAR OU NÃO DAR?

Por Jeisael Marx

Uma pergunta que nunca é respondida em consenso. Existem argumentos explicativos consideráveis para quem é contra e quem é a favor.

Antes de mais nada, vamos a algumas informações:
Uma pesquisa realizada em Uberlândia, MG, revelou que 90% dos pedintes não necessitavam de esmolas. Lá, quem pede dinheiro sem precisar vai preso.

Pra quem não sabe, mendicância é contravenção penal e a pena varia de 15 a 90 dias de prisão.
Em muitos países, mendigar é crime. E quem dá, também é punido.

Muitos esmoleiros ganham por mês (na moleza) mais do que você ganha de salário (ralando).

Uma enquete realizada pela rádio Cultura AM mostrou que 70% das pessoas são a favor de dar esmolas. Agora, eu quero dizer que faço parte dos 30%.

Sou radicalmente contra dar esmolas. E não dou mesmo. Estejam a vontade para concordar ou não. Mas sou da opinião de que uma das piores invenções humanas foi a esmola. Dar esmola é um péssimo ato. Não sou contra a caridade ou a solidariedade. Até porque quem dá esmola não está movido de fato por esses ou outros entimentos nobres. Dá apenas a sobra. E dar a sobra não é uma virtude, serve somente para ostentar poder e soberba. Puro exibicionismo.

Ou você acha que quem dá um trocado para um pedinte que se aproxima não quer apenas de livrar do incoveniente, do mau-cheiro, da roupa suja, etc? Acho deprimente para quem dá, e, de fato, não ajuda em nada quem recebe. Quem dá esmola alimenta a miséria e a marginalidade. Quem recebe acostuma-se com a miséria e a humilhação. Quem dá, pensa que fez um grande favor quando acabou fazendo um grande mal.

Você já se perguntou o que leva alguém a ser um pedinte? Podemos imaginar inúmeros motivos: o fato de não ter tido uma oportunidade na vida, o fato de não ter acesso a educação formal ou a um trabalho digno, blá, blá, blá. Mas fato é que o sujeito só pede porque sabe que alguém vai dar. Aí, a sociedade vai criando um monte de parasitas, que percebe que pode ganhar dinheiro sem trabalhar. Então pra quê trabalhar?

E não pense que vender canetinhas ou balas no farol, ou limpar parabrisas pra receber um trocadinho é trabalho. É esmolar também. Ouça o argumento de quem faz isso: “compra uma balinha aí pra me ajudar, tio”. Não se ache o ‘bom cidadão’ por dar uma esmolinha. Por acaso após dar a esmola você vai junto com o esmoleiro ajudá-lo a encontrar um trabalho digno? Ou a encontrar um outro caminho? Esse é o problema: a esmola em nada ajuda, serve apenas de combustível, é um instrumento de manutenção da miséria e da desigualdade.

Todas as vezes que ofereci trabalho para um pedinte, fui tratado com hostilidade. “Eu tô pedindo é dinheiro, siô. Né trabalho não”. E já ouvi coisas piores. É uma gente sem honra, que morre e que mata e que nada tem a perder. Muitos começam pedindo e depois começam a roubar, pois nem todos os marginalizados se sujeitam a viver da humilhação da esmola. O que esse povo quer é vida fácil. Mendicância virou profissão. Tem muita gente que faz disso um meio de vida.

Se você quer mesmo ajudar, doe mais do que sobras a uma instituição de caridade, ofereça um emprego na sua empresa pra quem não tem oportunidade, adote uma criança, dê uma cesta básica a uma família carente, junte alguns amigos e faça um sopão, arrecade roupas e alimentos para dar aos necessitados, enfim… Pereceba a diferênça entre ser caridoso/solidário e ser um alimentador da miséria dando esmolas no sinal, na porta do banco, na porta de sua casa.

FIM
_______________________________________________________________
Veja a seguir um post do blog pistoleirosemdedo
Veja por quê ser esmoleiro é tudo de bom:
* Você chega a hora que quiser;
* sai a hora que quiser;
* trabalha quantas horas por dia quiser;
* não tem chefe;* não tem que justificar faltas;
* não PAGA IMPOSTOS (esse é opcional, porque você ainda pode se inscrever como autônomo e gozar uma aposentadoria respeitável);
* algumas almas caridosas ainda te descolam um rango (e eu nem tícket tenho!);
* você pode levar seus filhos para trabalharem também (isso implica em ganho extra, devido à “peninha” dos transeuntes)
Conheça as modalidades da categoria:
* Mendigo – aqueles que andarilham pela cidade inteira, sem rumo certo, numa aventura sem fim! Nunca sabem onde vão dormir, aliás, nem sabem se vão dormir.
* Pedinte – aqueles que estão todos os dias no mesmo ponto. Esses são perigosos por dois motivos: outros pedintes não podem se aproximar da sua área de jurisdição (o “pedaço deles”); se você tratá-los mal, eles podem estudar seus hábitos para roubá-lo ou se vingar.
* Mãe solteiraSub categoria de Pedinte: aquelas que alugam uma criança recém nascida para trabalhar. Em casos raríssimos, usam o próprio recém nascido pra trabalhar. O incrível é que elas devem ser mães de uns 13 filhos gêmeos recém nascidos, porque cada dia é um filho diferente. Tem umas pilantras que até botam aquelas tetas murchas na boca do neném pra tentar te convencer. Requer sexo feminino.
* Trovador – contam alguma lorota para tentar te comover/convencer.
* Inválido – é o pobrezinho que não pode trabalhar porque não tem um dedo ou uma perna. Nessa categoria estão também os doentes.
* Malabaristas – puta merda, esses são artistas e deveriam estar no circo du soléi. Normalmente estão em semáforos ou na rodoviária, ao lado do amontoado de pessoas que assistem o homem da cobra. Há ainda uma subcategoria, Menores Malabaristas, que são uns moleques cheiradores de cola que quando estão doidões ficam dando umas cambalhotas no sinal se achando os ginastas.
* Drogados – essa modalidade é daquelas que não rendem. Um bêbum ou um maconheiro ficam andarilhando pelo ponto em busca de trocados paraa próxima tragada.
* Flanelinhas – são os piores de todos. São também vigias de carros. Se acham os donos do estacionamento e se você disser que “não precisa olhar”, seu carro aparece misteriosamente arranhado (claro né, não tinha ninguém pra vigiar…). Os flanelinhas que lavam carros, em alguns locais (como na quadra do meu trabalho) recebem até décimo terceiro.Certa vez me disseram que um flanelinha do Brasília Shopping comentou que não chegaria aos R$ 1.500,00 naquele mês. “Háa ce tá de zuação comigo…”, foi minha pronta resposta. “Aoooonde que um flanelinha poderia ganhar tanto só vigiando e lavando carros?”.
Posteriormente, me disseram que o “chefe” dos flanelinhas (ou seja, o flanelão) da quadra onde trabalho vem “trabalhar” de carro ocasionalmente, que vem vestido na beca e que bota aqueles trapos só pra conseguir uns trocados a mais. O sujeito é conhecido como Zezinho, e tem uns 4 ou 5 flanelinhas sob suas ordens (eeeta moral!).
Depois de alguns meses constatei a veracidade da informação: num ponto afastado da quadra o vi caminhando como qualquer pessoa comum: uma gola pólo filézinha (daquelas xulas que tem um cavalinho bordado no bolso, hehe), uma calça social (diga-se de passagem, visivelmente melhor que a minha) e um sapato muito bem engraxado; resolvi não conferir de onde ele estava indo ou para onde estava indo; claro, ele possivelmente se trocou em algum local, vestindo os habituais trapos de flanelinha, mas isso eu também não fiquei pra conferir.
O Zezim é um cara de fibra, trabalha todos os dias, faça sol ou faça chuva, ao contrário dos flanelinhas da quadra ao lado, que não trabalham em dias frios, chuvosos e ainda saem mais cedo do trabalho quase todos os dias. Isso que é trabalhador! O único inconveniente é que, estacionando o seu carro na área dele, você deve lavar o carro com ele de tempos em tempos, porque arranhões podem aparecer ocasionalmente na pintura do seu carro e ele não vai estar lá pra ver quem foi que fez isso.
Cálculo do salário de um pedinte:
Bem, vamos jogar o preto no branco agora. Se você se interessou em alguma das modalidades ou cifras acima, vamos estipular quanto ganha um pedinte num semáforo hoje em dia. O cálculo é baseado num email que recebi há muito tempo atrás e por isso não sei a quem atribuir o crédito.
Imagine a situação onde alguém que simplesmente peça dinheiro num semáforo de um cruzamento movimentado, próximo a algum centro comercial da cidade. Vamos chamar esse alguém de Seu Joca.O semáforo onde o Seu Joca trabalha passa 30 segundos verde ou amarelo (aberto) e 30 segundos vermelho (fechado).
Existe um cabeção para impedir que o semáforo seja furado (também conhecido como pardal, cabeçudo ou fiscalização eletrônica).Se uma bondosa alma depositar R$ 0,10 (apenas dez centavos de real) no chapéu do Seu Joca a cada semáforo vermelho, seu faturamento será de 10 centavos por minuto. Achou pouco? Não vamos levar em consideração que muitas pessoas dão bem mais que 10 centavos.Então, 10 centavos vezes 60 minutos, nos dá 0,10*60 = R$ 6,00 por hora. Você acha 6 reais por hora pouco?
Então vamos dobrar o trabalho do Seu Joca: assim que esse semáforo ficar verde ele vai para o outro lado do cruzamento, no outro semáforo. Haaa sim, agora são R$ 12,00 por hora.O Seu Joca é um cara trabalhador, estudou e trabalhou a vida inteira. Portanto, sabe que o fruto do suor é o seu sustento.
O Seu Joca trabalha das 8 às 18, com duas horas de folga para o almoço, onde tira 30 minutos pra comer uma quentinha da Dona Zefa das Malmita e dorme por uma hora e meia embaixo de alguma árvore. Então, por dia, ele fatura 12 * 8 = R$ 96,00 (noventa e seis conto).Huhh começou a ficar interessante, não acha?? Invaginemos que o Seu Joca trabalhe 22 dias por mês, como qualquer mortal: 22*96 = R$ 2.112,00. Líquido. Porrraa! Se o cara for ganancioso pode trabalhar 10 horas por dia pra ganhar hora extra…
Dicas para se tornar um bom pedinte:
* Pratique em frente ao espelho expressões de tristeza, necessidade e cachorro triste.
* Escreva uma placa para ter que falar menos. Lembre-se de cometer erros vulgares de gramática, como escrever o “Z” e o “N” ao contrário.
* Faça uma estatística dos semáforos e avenidas mais movimentados, com o tráfego médio por minuto de automóveis e pedestres. Trace uma curva e determine os melhores horários em cada local.
* Para economizar na hora do almoço, espere na frente do restaurante e chore um prato de comida. Diga que você quer apenas comer e que podem te dar qualquer meia colher de arroz. Isso sempre dá certo.
* Ao voltar pra casa, aproveite o horário de pico e volte pingando de ônibus em ônibus, pedindo e aproveitando pra avançar de 1 em 1 parada sem pagar a passagem. Força! Uma hora vc chega lá e ainda arrecada uma grana boa!
* Parques, circos e feiras: ótimo pra descolar uma graninha extra! Vc se diverte com a família e ainda aproveita pra trabalhar!
* Modifique seus métodos: num dia você leva uma receita médica e diz que precisa comprá-los; noutro dia você tem 9 filhos pra criar; noutro você é um empreiteiro falido…
* Faça cursos de línguas e mendigue em vários idiomas. O aeroporto é frequentado por pessoas com muito dinheiro!
* Invista no negócio: compre uma cadeira de rodas e uma muleta! Compre também um kit do homem da cobra pra esconder uma das pernas.
* Mantenha a dianteira dos negócios: se algum outro pedinte entrar na sua área, elimine-o.
* Diversifique os negócios: venda drogras, armas, dvds e giz de matar barata.
* Seja insistente! Persista e vença os trouxas pelo cansaço!
* Torre toda a grana que ganhar em porcarias. Afinal, é esse o segredo para conseguir permanecer a vida inteira pedindo!
“Porque mendigar é uma arte.”
Busca