Publicidade

Deputado defende diálogo para evitar greve de policiais no MA

Deputado Raimundo Cutrim (PCdoB)

Em pronunciamento na manhã desta terça-feira (28), na Assembleia Legislativa, o deputado Raimundo Cutrim (PC do B) disse que, apesar de achar pouco o reajuste oferecido pelo governo aos policiais do Maranhão, sempre foi ideologicamente contra greve. Cutrim relatou que tem acompanhado com preocupação o movimento paredista da Polícia Civil e da Polícia Militar, que ameaçam cruzar os braços.

 

O parlamentar acredita que greve em serviços essenciais já deveria ter sido há muito tempo regulamentada pela União. “Acho que a greve deve ser proibida. Já imaginou se o Exército e a Polícia Federal entrarem em greve. A população precisa da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros e da Polícia Civil. Não admitimos greve porque a polícia está amadurecida. Vamos conversar”.

 

O deputado alerta que o diálogo é importante, mas o que se observa são alguns órgãos de comunicação incentivando a greve, a isso Cutrim classificou como ato criminoso.

 

Mesmo considerando que o reajuste proposto seja pouco para o trabalho das polícias Civil, Militar e do Corpo de Bombeiros, Cutrim disse que a categoria tem que ver o que o governo do Estado pode pagar, e os acordos de reajustes salariais que devem ser feitos em quatro anos.

“Achamos ainda que é muito pouco. Precisamos verificar o que podemos fazer para melhorar o salário dos policiais”, salientou. Entretanto, revelou que atualmente o policial militar do Maranhão perde apenas para a Bahia. Segundo ele, os estados de São Paulo e do Rio de Janeiro pagam uma miséria aos policiais.

 

Outro assunto levado à tribuna por Raimundo Cutrim diz respeito ao regime de trabalho de 40 por semana defendido pelas Associações de policiais. “As polícias têm que ter dedicação exclusiva, pois devem ficar à disposição da sociedade 24 horas por dia. Por isso buscamos salários melhores para os policiais”.


 

 

Busca