Publicidade

Confusão no PMDB: Ricardo Murad queria nota de repúdio do Partido à candidatura de Humberto Coutinho para presidência da AL

Foi quente a reunião realizada na sede do PMDB, no bairro São Franciso, em São Luís. O Partido está mais perido do que cego em tiroteio desde que perdeu as eleições de 2014 no Maranhão. E com as discussões para eleição da mesa diretora da Assembleia Legislativa do Maranhão, o PMDB rachou.

O ex-secretário de Saúde do Estado e condenado pelo TCE, Ricardo Murad, “exigiu” que o Partido emitisse oficialmente uma nota de repúdio à candidatura de Humberto Coutinho (PDT). João Alberto “Carcará”, comandante da legenda no estado, disse a ideia era absurda e que não ia dar murro em ponta de faca, deixando entender que bancada pemedebista está liberada para apoiar Coutinho. E completou que, como presidente da legenda nada tem contra o pedetista.

Leia: Humberto Coutinho caminha para ser presidente da Assembleia

Foi a gota d'água para Ricardo, que chegou a dar murro na mesa e apontar o dedo para o deputado Roberto Costa “Carcarazinho”, cria de João Alberto, acusando-o de ter “acabado com o Partido”. Quem diz o que quer, ouve o que não quer. Costa rebateu firme e “jogou na cara” que foi Murad que não só afundou o PMDB como também acabou com o governo de Roseana. A discussão foi ouvida do lado de fora.

Ricardo Murad está inconformado. Queria porque queria que a bancada do seu partido lançasse candidatura própria para disputar a presidência da Assembleia. Ele fala através da filha, Andrea Murad, deputada eleita, que está isolada na oposição ao lado de Sousa Neto, também eleito nas barras de Ricardo. Andrea é novata, não tem bagagem, lhe falta sustância para encampar uma batalha dessas.

João Alberto prometeu reunir a bancada para discutir o assunto. Mas, o posicionamento de Roberto Costa, que já declarou simpatia pela candidatura de Humberto, em quem deve votar, reflete a vontade de João Alberto.

 

 

 

 

 

Busca