Publicidade

Atlético, fofoqueiro, nerd…. Que tipo de aluno você é (ou foi)?

Por Glória Barreto

Ranzinza, Dengoso, Mestre… Os nomes dos anões da história da Branca de Neve representam bem a personalidade de cada um. E se a gente aplicasse a mesa lógica à vida real? Quão interessante seriam os nomes de algumas pessoas. Pensando sobre esse assunto, certa vez, numa palestra para estudantes, resolvi falar dos tipos de alunos que encontramos no ambiente escolar.

Claro que as minhas observações não advém de nenhum estudo científico. Entretanto, é interessante reconhecer que os tipos estão entre nós, independente de lugar ou de época. Posso não lembrar de todos os tipos, mas, vamos lá. Quem sabe você não identifica o seu tipo ou de um colega.

 

Perdido: é aquele aluno que está em todas as aulas (pelo menos de corpo presente), mas, nunca tem informações confiáveis, porque dificilmente presta atenção. Parece ter um mundo só dele, acessado pelo local onde ele fixa os olhos, seja na janela, no estojo, na parte branca do livro ou no celular.

Quando questionado em meio a uma aula expositiva se limita a um “hã, dá pra repetir a pergunta”. E a resposta, geralmente, é uma viagem até o fundo da maionese. Responde só para não deixar de responder, e acaba arrancando risos dos colegas. É um teste à paciência do professor.

Atualizado: é o tipo que sabe de tudo, inclusive sobre a vida alheia. Conhece a vida dos colegas, todos. E também sabe tudo sobre a vida dos professores. Pensei até em chamar de “fofoqueiro”, mas “atualizado” soa menos pejorativo.

No início do ano, a turma ainda vai conhecer o novo professor, mas o atualizado já sabe tudo: onde já trabalhou, se tem filho, se é legal. Se um colega falta, na hora da chamada é o primeiro a avisar: “o fulano tá com gripe” ou “a avó tá doente”. Sempre que começa um bate papo a frase mais usada é “você ta sabendo?” Se não sabe, o atualizado sabe e está louquinho para contar.

Enturmado: está em todas, é querido pelos professores e colegas, amigo de várias turmas – sejam de colegas mais velhos ou mais novos. Todo mundo sabe seu nome, sempre é requisitado para as festas e confraternizações. Dá até vontade de ser como ele, mas, não é inveja, afinal, a gente também gosta dele. Vive de bem com a vida, dificilmente se mete em confusão. Popular.

O professor vai começar a aula e percebe que o enturmado de outra sala está presente. Mas, o cara é tão gente boa que o professor nem fica bravo, leva na esportiva, no máximo o 'convida' gentilmente para que volte para à sua sala. Talvez o enturmado não tenha a melhor nota, afinal, vive para os amigos. Porém, em termos de contatos e amigos, sua nota é 10.

Engraçado: este é a alegria da classe. O que seria de nós pobres mortais, enfrentar horas de aulas sem rir das “observações criativas” dos engraçadinhos. Alguns professores não conseguem conviver com o tipo, o que é compreensível, uma vez que a turma, geralmente, está mais disposta a rir do que estudar. Este tem um talento natural, uma sagacidade para ver graça e fazer humor com o assuntos mais inimagináveis.

Sonolento: para este, parte do curso foi, literalmente, um sonho. A turma sabe que ele está lá, mas poucos se atrevem acordá-lo, a não ser quando chega ao final da aula ou então quando o professor está chamando o indivíduo. Nestes casos alguém o cutuca no ombro ou dá um chute por baixo da cadeira.

Escandalosa: a maioria deste tipo é composta do sexo feminino. Chegou na sala, até quem está de costa sabe quem entrou. Elas se anuncia. Pensa em voz alta. Voz, aliás, sempre nos tons agudos. Adora ser o centro das atenções. É muito fácil descobrir seu humor, porque ela faz questão de anunciar “hoje eu não to bem”. Ela não ri, gargalha. E discursa com muitos gestos e jogadas de cabelo.

Timído: você pode não ter notado, mas ele estava lá. Deste, lembramos a fisionomia, já da voz, dificilmente. Voluntariamente ou não, é quase invisível, e “morre de medo” de apresentar seminários. Alguns se envergonham por fazerem parte deste grupo, mas, a verdade é que sempre existe um ar de mistério sobre eles. Ah, mas é o tipo que sabe de coisas que os colegas nem imaginam. Sempre observando tudo.

Nerds: estudiosos e amados pelos professores, criticados e até invejados pelos colegas, se destacam com altas notas, têm desempenho acadêmico invejável. São os futuros cientistas, inventores, empresários, doutores. Além de admirar este colega, é melhor respeitá-lo, afinal, você pode estar estudando com seu futuro chefe. Eles não são muitos na sala.

Atleta: a melhor nota da sala… na disciplina de educação física, é claro. É uma boa companhia, sempre de bom humor, fruto da endorfina liberada nos exercícios. Em dia de jogo, não conte com ele. E se matou aula, é fácil de achar, está na quadra de esportes.

Puxa: não importa a discussão, o “puxa” sempre fica do lado do professor. A galera torcendo para o professor esquecer a tarefa e o puxa-saco: “professor o “siô' não vai ver os exercícios que deu para fazer em casa?”

Ele cobre de elogios o mestre desde o momento que entra em sala: “nossa professor o “siô” emagreceu, tá bonito”, “É a foto de sua família? Que linda!”. É claro que todo mundo gosta de um pouco de atenção, mas até os professores sentem que o “puxa” está forçando a barra.

Esteticista: adora tirar a sobrancelha, retocar a maquiagem durante a aula e quase morre quando o professor recolhe seu espelhinho.

Gatos e as gatas: Estes tipos são a motivação de nossa frequência as aulas, principalmente, na adolescência, onde alimentamos amores platônicos. São estudantes que se destacam por sua bela aparência, sorriso, cabelos e etc… Nos fazem crer que a beleza é um presente divino para os olhos. Quantas adolescentes levantam muito mais cedo para poder se arrumar, afinal o fulano vai estar lá. E os rapazes vencem a preguiça pela manhã, porque mesmo se a aula for péssima dá para passar o período olhando pra aquela “princesa”.

 

E então identificou algum conhecido? Enquanto descrevo os tipos de estudantes consigo recordar com carinho de meus colegas e dos alunos com quem já trabalhei, pessoas especiais e únicas. Porém gostaria de concluir citando um tipo que considero o mais importante na vida de cada aluno:

Amigo: Provérbios 18:24 explica que existem amigos mais chegados que um irmão. E, na realidade, este tipo se torna nosso irmão no ambiente escolar, alguém com quem podemos contar. Você não foi à aula? Ele sente sua falta. Tem um trabalho em equipe? Você já sabe que ele está no seu grupo. Ele vai rir e, se preciso, vai chorar com você. E quem nunca entrou numa “furada” para ajudar um amigo, né?.

Com eles vivemos nossas aventuras estudantis. Eles são os únicos que compreendem nossas reclamações por aquele professor exigente. Alguém de confiança para compartilhar segredos e vitórias e pedir apoio quando os problemas parecem insolúveis.

Pois bem, se você não é ou foi nenhum tipo marcante para toda classe, não há problema algum, porque se você foi um bom amigo, você já faz parte da história de vida de outra pessoa.

 

 

 

Busca