Publicidade

Tesoureiro do PT nega doações ilegais de fornecedores da Petrobras para o partido

Em depoimento à CPI da Petrobras, João Vaccari negou envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras

Em depoimento à CPI da Petrobras, João Vaccari negou envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras

Em depoimento realizado nesta quinta-feira (9), na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, negou que tenha intermediado doações ilegais em contratos de fornecedores da Petrobras para financiar campanhas do Partido dos Trabalhadores (PT).

Antes de responder as perguntas dos deputados responsáveis pela comissão, Vaccari apresentou dados que mostrariam que nas duas últimas eleições, a distribuição de doações de empresas investigadas pela Operação Lava Jato ficou equilibrada entre PT, PSDB e PMDB.

O tesoureiro negou ainda ter consultado executivos da Petrobras e o doleiro Alberto Yousseff, sobre a doações de recursos para o partido. Vaccari disse não ter conversado com o ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque sobre finanças do PT ou qualquer outro assunto que envolva recursos financeiros. Em resposta a parlamentares repetiu que as declarações que Barusco fez a seu respeito na delação premiada não são verdadeiras.

Vaccari é suspeito de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, de acordo com delatores da Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Eles afirmam que o tesoureiro intermediou doações de propina em contratos com fornecedores da Petrobras. O dinheiro seria usado para financiar campanhas políticas.

Segundo a denúncia apresentada à Justiça Federal pelo Ministério Público Federal, no Paraná, Vaccari participou de reuniões com ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque, nas quais eram acertados os valores de propina que seriam transferidos ao PT como doações legais.

*Com informações de Agência Brasil

Busca