Publicidade

Sem correntes: governo do estado garante continuidade e ampliação de atividades no Convento

Bela fachada do Convento

Depois que o governo deu o tom na moralização do Convento da Mercês, local que abriga a Fundação da Memória Republicana (FMRB), a chiadeira foi grande. A presidente da Fundação, Anna Garaziella Neiva, ex-secretaria de Roseana Sarney, chegou a passar um corrente nos portões do prédio para fazer uma ceninha. Só para ir lá um fotógrafo/jornalista do jornal dos Sarneys, bater um 'retrato' e fazer o drama de “vítima”.

Cena montada por Anna Graziella | Imagem: Thiago Bastos, Jornal O Estado do Maranhão

A intenção maldosa era jogar a sociedade contra o governo, em especial a comunidade atendida pelos projetos sociais desenvolvidos no Convento, e que eles usam para dar o verniz necessário à manutenção do “Museu do Sarney”. Não colou.

A reação chegou como um tapa na cara dos cínicos. Para assumir a Fundação da Memória Republicana Brasileira, o governo do estado instituiu um comissão formada por representantes do governo, especialistas técnicos e pessoas do bairro do Desterro, onde está localizado o Convento. A partir de desta segunda-feira (19), a comissão dará continuidade às atividades já desenvolvidas no local e ampliará a programação a partir de estudos de necessidades e de demandas da própria comunidade. Além disso, realizará estudos sobre a estrutura do prédio e sobre o acervo que lá é mantido.

 

E para o ponto não ficar sem nó, representantes do governo se reuniram ontem (18) com pessoas da comunidade do Desterro para tranquilizá-los com relação à continuídade dos trabalhos desenvolvidos pela Fundação, e discutir a implementação de novos projetos como o Ponto do Saber, que consiste na instalação de um laboratório com computadores e internet no bairro, e o Universidade para Todos Nós, que prevê bolsas de estudos para alunos de cursos universitários instalados no Centro Histórico, que desenvolvam trabalhos que melhorem a vida dessa população. Eita que o povo do Desterro ficou todo contente.

Resta saber qual a próxima “cena” que os caras de pau (ou de cavalo), viúvas do sarneyzismo, os boca-pretas, vão inventar.

 

Representantes do governo com a comunidade do Desterro

 

Busca