Publicidade

Ricardo Murad sai em defesa de vereadores suspeitos de envolvimento com agiotagem

O ex-secretário de Saúde do governo de Roseana Sarney, o enrolado e condenado Ricardo Murad (PMDB), saiu em defesa dos vereadores ludovicenses envolvidos em esquemas de agiotagem. Depois que o assunto voltou à tona através dos blogs jeisael.com e Marrapá, o ex-todo-poderoso do governo da filha de José Sarney acusou o golpe.

Mas não é difícil entender as dores de Ricardo Murad quando se trata do avanço das investigações sobre agiotagem no Maranhão. Uma série de notas fiscais frias pagas pela Secretaria Estadual de Saúde na gestão de Murad já está nas mãos de agentes da Justiça. Até o momento, a soma dos documentos chega a R$ 13 milhões, e o ex-secretário pode facilmente ser incriminado. O conjunto de papéis pode até ligar Ricardo a Gláucio Alencar, preso como mandante da morte de Décio Sá, o jornalista que ousou denunciar o esquema de agiotagem.

Só agora, no governo Flávio Dino, as investigações estão, de fato, avançando e alcançando quem quer que seja, aliado ou não do Palácio dos Leões, diferente do que aconteceu no governo de Roseana, onde o trabalho da polícia foi praticamente estancado por atingir aliados da família Sarney. A ordem do novo governador é investigar quem quer que seja.

Mas Ricardo Murad acha que foi Flávio Dino quem mandou o secretário de Segurança “detonar” vereadores de São Luís. Acostumado com o cachimbo, a boca de Murad ficou torta. Ele está medindo as ações do secretário Jefferson com a régua que media o ex-secretário de segurança de Roseana, Aluísio Mendes, com quem mantinha tráfico de influência para poupar aliados e detonar adversários, prática 'denunciada' pela própria filha, Andrea Murad, na tribuna da Assembleia Legialtiava.

Ricardo Murad deveria procurar o que fazer e se preparar para responder na Justiça pelos seus malfeitos. Aliás, para quem já foi o secretário de estado mais poderoso do Maranhão, chegando a mandar mais do que a própria governadora, o papel que sobrou para Murad é ridículo.

Ricardo passa o dia vigiando blogs e redes sociais e comandando meia dúzia de puxa-sacos que se ocupam de fazer prints em grupos de WahtsApp para que ele possa “se armar” para publicar suas asneiras para um “batalhão” de 100 seguidores no Twitter, dos quais 90 são fakes e o resto tem ligações familiares. Quem te viu, que te vê.

 

 

 

Busca