Publicidade

Receita aponta bens injustificados de Cunha de R$ 1,8 milhão, diz jornal

valores-considerados-como-aumento-patrimonial-a-descoberto-da-familia-de

Jornal do Brasil – A Receita Federal apontou uma incompatibilidade no aumento patrimonial do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de sua mulher, Cláudia Cruz, e de sua filha Danielle Dytz da Cunha.

Segundo o relatório, divulgado pela ‘Folha de S. Paulo’, nesta quinta-feira (7/1) os valores considerados como aumento patrimonial “a descoberto” da família de Cunha totalizam R$ 1,8 milhão entre 2011 e 2014. “Os montantes dos indícios apontados estão significativamente influenciados pelos gastos efetuados com cartão de crédito”, afirma trecho do documento.

O salário bruto de deputado federal atualmente é de R$ 33,7 mil. Cunha e sua mulher também são sócios de empresas na área de comunicação.

De acordo com a “Folha”, o levantamento usa o termo técnico “indício de variação patrimonial a descoberto”, que é um crescimento incompatível com a renda. Não há, porém, detalhes sobre o que provocou esse acréscimo.

A apuração da Receita está sendo feita a pedido da Procuradoria-Geral da República na Operação Lava Jato, já que Cunha e seus familiares são investigados no STF sob suspeita de terem mantido contas secretas no exterior abastecidas com recursos desviados da Petrobras.

Por meio de sua assessoria, Cunha afirmou à “Folha” que não possui patrimônio “a descoberto” e que desconhece o relatório da Receita Federal. Ainda de acordo com a assessoria, Cunha disse que, se houver, o relatório deveria estar sob sigilo.

A “Folha” disse também que entrou em contato com as defesas de Cláudia Cruz, mulher do deputado, e de Danielle Dytz. A defesa da filha de Cunha informou que não iria se manifestar por não ter tido acesso ao relatório da Receita. A da mulher dele não se pronunciou.

Busca