Publicidade

Operação da PF em residência de Ricardo Murad repercute na imprensa nacional

IMG-20151117-WA0012

Ricardo Murad é encaminhado pela PF para prestar depoimento.

A ação da Polícia Federal em uma das residências do ex-secretário de Saúde Ricardo Murad, que resultou na apreensão de objetos de valor de Ricardo, além da própria condução coercitiva do cunhado de Roseana Sarney à sede da PF em São Luís, para prestar depoimento, ganhou repercussão nacional. Os principais jornais do país noticiaram o fato e destacaram principalmente a relação entre o ex-secretário e a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB).

ricardo2A Folha de São Paulo e o Estadão deram destaque à notícia e afirmaram que Ricardo já havia sendo investigado desde 2010, quando foi constatado irregularidades na “terceirização” da gestão da rede pública estadual, implantada por Ricardo Murad quando esteve à frente da Secretária de Estado de Saúde (SES). Murad é suspeito de usar essa manobra para desviar cerca de R$ 8 milhões de verbas oriundas do Fundo Nacional de Saúde para o Maranhão.

A Folha apurou ainda casos emblemáticos que envolvem as investigações contra antes homem forte da gestão Roseana. Entre os casos está dois incêndios, em andares diferentes de um prédio do governo do Estado que inviabilizaram o cumprimento de mandados de busca e apreensão da PF para obter documentos essenciais para esclarecimento de suspeitas.

Ricardo foi assunto também no Jornal Nacional da Rede Globo agora à tarde. De acordo com a reportagem do telejornal, as verbas que teriam sido desviadas por Murad podem ter bancado campanhas eleitorais de 2010, 2012 e 2014. De acordo com a PF essa parte da investigação será enviada à Justiça Eleitoral.

Redes Sociais 

Não foi só na imprensa que o caso repercutiu. Logo após ser conduzido à sede da PF para prestar depoimento, Ricardo Murad estava entre os assuntos mais comentados no país rede social Twitter. O deputado federal Rubens Pereira Júnior (PCdoB) chegou a comentar, através da rede social, a operação da PF afirmando que não se pode mais “tolerar a corrupção de recursos público”. O parlamentar disse ainda que espera que a PF prossiga com as investigações.

A Operação Sermão aos Peixes, deflagrada na última segunda-feira (17), na qual Ricardo Murad é investigado, cumpriu ainda 100 mandados de judiciais, sendo 13 de prisão preventiva, 60 de busca e apreensão e 27 de condução coercitiva pra depoimento. Os nomes dos outros envolvidos no esquema ainda não foi divulgado pela PF.

ricardo3Sem título

Busca