Publicidade

“Não é flor que se cheire”, desabafa Wellington após apoio a Braide

Resultado de imagem para eduardo braide e wellington

Marrapá – O deputado estadual Wellington do Curso (PP) parece, de fato, não confiar em Eduardo Braide. Segundo o próprio progressista, o candidato do PMN “não é flor que se cheire”. A revelação foi dada na sede do Curso Wellington na noite de ontem.

WC confessa que seu objetivo é apenas tirar Edivaldo Holanda Júnior da Prefeitura de São Luís e não interessa quem for assumir. O rancor do deputado com o prefeito virou algo pessoal e não diferenças políticas.

A declaração não é por acaso. Foi ele quem trouxe à tona e desmascarou Eduardo Braide no primeiro turno, quando denunciou as investigações da Máfia de Anajatuba, comandada pelo pai do candidato, o ex-presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, Carlos Braide.

“O deputado diz que enviou emendas para a saúde, é louvável mas também deveria explicar o destino das suas emendas para Anajatuba que inclusive é objeto de investigação da Polícia Federal”, disse no debate da TV Mirante, no dia 28 de setembro.

Wellington apenas confirma não acreditar no caráter e nas iniciativas de Eduardo Braide, portanto fica a dúvida sobre o que teria sido negociado em troca do seu apoio. Afinidade política definitivamente não ocorreu.

“Mas eu tinha que me posicionar. Eu não poderia ficado dois anos criticando Edivaldo e ficar omisso”, justificou.

Além disso, Wellington entrou cometendo crime eleitoral, pra variar, ao fazer campanha em estabelecimento de uso comum, mesmo sendo privado segundo o Artigo 37, da Lei Eleitoral 9.504/1997.

Busca