Publicidade

Moradores querem melhorias na avenida da Saudade

 

Moradores do Conjunto São Raimundo, Jardim São Raimundo e Cruzeiro Santa Bárbara acionaram nossa equipe de reportagem para cobrar da Prefeitura de São Luís que leve asfalto e melhorias para a avenida da Saudade. A via é uma das mais movimentadas da região, por onde passam pessoas de diversos bairros, em deslocamento para o trabalho, para a escola ou outros compromissos.

Gente como seu Gilberto Silva, micro empresário que passa todos os dias pela avenida, e reclama que está cansado de enganação.

“Eles ficam desdobrando aqui, querendo botar [somente] uma piçarrinha, e nunca ajeitam. Esse povo daí sofre muito. Tem que ser feito, tem que trabalhar,  meter uma drenagem, botar asfalto. Dar melhores condições de vida pras pessoas que moram aí”, cobra Giberto.

Mas não é apenas a avenida da Saudade que tem problemas. As poucas ruas transversais que estão pavimentadas tem pavimentação precária. Na rua Militar, uma vala segue por todo o curso da via, impossibilitando, inclusive, que os moradores possam atravessar de um lado para o outro. Algumas casas têm garagem, mas não há como nenhum carro ou mesmo moto entrar na rua. O frentista Robson Charles disse que é até difícil ter e manter um automóvel.

” Não tem a mínima condição de a pessoa ter um [carro]. Meu carro só vive é esbandalhando, cheio de lama, fura direto por causa da lama, da água. Todo ano é esse problema desse buraco. eles falam que vão ajeitar e nunca ajeitam, só raspam, raspam…”, lamenta.

Os moradores temem a chegada do período chuvoso, pois já sabem o que pode acontecer. Dona Domingas Oliveira, que trabalha como cozinheira, disse que quando chove fica muito difícil sair de casa pra ir para o trabalho. Quando perguntamos sobre a situação das crianças que precisam se deslocar para ir pra escola, Dona Domingas falou da dificuldade enfrentada pelos alunos.

Os ônibus escolares deixam de passar na avenida da Saudade, e as crianças precisam andar em direção a outros pontos para conseguir embarcar.

Entre os moradores que falaram com a nossa equipe, a doméstica Dona Nilza pareceu a mais indignada. Ela quer saber cadê os recursos públicos para fazer a obra.

“Eu quero é benefício no meu bairro, siô. Isso aqui é uma nojeira. Botam o dinheiro onde? O que eu quero é que ajeite nosso bairro, isso aqui é muita poeira, meus filhos só vivem gripados, eu também tenho problema de sinusite. Toda hora eu vasculho minha casa. Aí, nós ‘quer’ uma melhoria aqui no nosso bairro” cobra indignada.

Dentre os problemas que afetam o local, há um lixão à beira da avenida da Saudade. Há vários materiais descartados de forma irregular, como carcaças de televisão, sofás e outros móveis velhos, plástico e papelão,  um colchão velho jogado no meio da via e até animais mortos. Em meio a sujeira, muitos urubus, insetos e ratos. No momento em que fazíamos a reportagem, o carro de lixo da Prefeitura estava fazendo a coleta residencial que é realizada regularmente três vezes por semana na região.

 

Em meio ao fedor, conversamos com algumas pessoas que relataram ver constantemente gente de outros bairros descartando lixo no local.  Wellana Rodrigues lamenta o comportamento dessas pessoas: “Pessoas sem consciência, porque, se tem a coleta, não tem porque está jogando lixo desse jeito”; e aproveita para criticar a prefeitura de São Luis que, segundo ela, tem colocado asfalto onde já tem, e esquecido lugares que realmente precisam.

“[O prefeito] deveria investir mais aqui, que era pra ele tá ajeitando e, na verdade, não tá. Ao invés de tá ajeitando uma rua que já tá asfaltada, deveria colocar asfalto numa rua dessa”, reclama.

O carpinteiro Francisco Freitas estava se deslocando para o trabalho quando avistou nossa equipe e, de longe, gritou: “vocês vão mesmo mostrar essa reportagem, ou só estão fazendo o migué?”. Segundo ele, algumas equipes de TV já foram ao local, mas editaram a reportagem pra “não mostrar as coisas como elas são de verdade”. Seu Francisco reclama que a população da região não é tratada como gente e faz um apelo.

“Eles acham que não mora gente aqui. Queria que as autoridades competentes olhassem pra nosso bairro aqui, que nós ‘mora’ na avenida da Saudade, Jardim São Raimundo. Aqui também mora gente, não é porco não, pra viver numa lama dessa”.

 

 

O blog  disponibiliza esta reportagem também na versão em vídeo. Confira abaixo

VÍDEO: reportagem sobre a avenida da Saudade na região do São Raimundo e Santa Bárbara

Busca