Moradores do Cajueiro fazem manifestação em frente ao Palácio dos Leões

Na manhã desta segunda-feira, 12, moradores  da comunidade do Cajueiro, se concentraram em frente ao Palácio dos Leões, no Centro Histórico de São Luís. São cerca de 60 famílias que estão em vias de serem despejadas do território ocupado há pelo menos dois séculos.

A ocupação teve início na noite do domingo, 11, sendo que também há manifestações na própria comunidade, que fica próxima à Vila Maranhão.
A construção de um porto privado no local é o que ameaça  as famílias que residem no local.

“Estão chamando as pessoas de invasoras para desestruturar um trabalho feito em todas as comunidades. Nós não somos bichos para ser remanejados”, afirmou o coordenador do Movimento dos Pescadores e Pescadoras, Clóvis Amorim, um organizadores dos protestos.

Reintegração de posse 

Ainda na manhã de hoje homens da Polícia Militar e tratores cumpriram ordem de reintegração de posse na área. Diversas casas foram derrubadas mesmo diante da manifestação de populares.

Governo do Estado se pronuncia 

O Governo do Estado do Maranhão se pronunciou sobre o caso. Segundo Nota da Secretaria da Comunicação Social e Assuntos Políticos do Governo, 

Sobre a decisão judicial de reintegração de posse na comunidade Cajueiro, Zona Rural de São Luís, o Governo do Maranhão informa que a reintegração de posse afeta 28 imóveis, e que foi previamente proposto o reassentamento das famílias, com pagamento de aluguel social. Veja íntegra :

1) trata-se de cumprimento de determinação judicial pela reintegração de posse. Há 28 posses diretamente afetadas, dentre imóveis habitados e não habitados;

2) a Secretaria de Direitos Humanos realizou processo de mediação com o Ministério Público, Defensoria Pública e as partes, a fim de contribuir com a construção de uma solução dialogada;

3) após a atuação da Secretaria, chegou-se à proposta de reassentamento de todas as famílias que residem no local, pagamento mensal de aluguel social e cestas básicas e proposta de capacitação e emprego de um membro de cada família;

4) esgotado o processo de mediação, cabe ao Estado cumprir a determinação judicial.

Secretaria da Comunicação Social e Assuntos Políticos do Governo do Estado do Maranhão

Radialista e Jornalista, Professor de Comunicação e Oratória, Locutor Publicitário e Apresentador de TV
Busca
Rádio Timbira Ao Vivo
Facebook