Publicidade

Mesmo condenado, Lula continua líder e vence em todos os cenários, afirma Datafolha

Resultado de imagem para lula

A condenação em segunda instância de Lula parece não ter sido o suficiente para tirar a liderança do ex-presidente nas intenções de votos, nas eleições presidenciais deste ano. De acordo com um levantamento realizado pelo Datafolha  divulgado nesta quarta-feira (31), Lula continua líder da intenção de votos em todos os cenários em que aparece, tanto em simulações de primeiro turno quanto de segundo turno.

Nos quatro cenários em que foi testado, Lula tem no mínimo 34% de intenções de voto. No mais favorável a ele, tem 37%, contra 16% do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), 7% do ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e do governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP), 5% do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa (sem partido), 4% do senador Alvaro Dias (Podemos), 2% do senador Fernando Collor (PTC) e 1% (cada um) da deputada Manuela D’Avila (PCdoB), do presidente do BNDES Paulo Rabello de Castro (PSC) e João Amoêdo (Novo).

Em um segundo cenário, sem Joaquim Barbosa, mas com o ministro da Fazenda Henrique Meirelles no páreo, Lula tem 36%, seguido por Bolsonaro (18%), Alckmin e Ciro (7%), Dias (4%) e Manuela e Collor (2%). Meirelles, Castro e Amoêdo marcaram 1%.

Quando a ex-senadora Marina Silva (Rede Sustentabilidade) e o apresentador Luciano Huck (Globo) entram na pesquisa, o cenário sofre algumas mudanças. Lula tem 34%, contra 16% de Bolsonaro, 8% de Marina, 6% de Huck, Ciro e Alckmin e 3% de Alvaro Dias. Collor, Manuela, Meirelles e Amoêdo marcam 1%.

No último cenário com Lula, o candidato do PSDB é João Doria, prefeito de São Paulo. Aqui, Lula tem 35%, contra 17% de Bolsonaro, 10% de Marina, 7% de Ciro, 4% de Doria e Dias e 2% de Collor. Manuela, Amoêdo e Castro têm 1%.

E se Lula ficar de fora?

Nos quatro cenários em que Lula não aparece, o deputado Jair Bolsonaro é o líder, com ao menos 18%. As quatro simulações são idênticas às feitas com Lula, mas sem o nome do ex-presidente. No seu lugar, aparece Jaques Wagner, ex-governador da Bahia, que fica com 2% em todos os cenários.

No primeiro cenário, Bolsonaro tem 19%, contra 12% de Ciro, 11% de Alckmin, 6% de Dias e 5% de Barbosa. Os outros candidatos não passam de 3%. No segundo, o deputado fica com 20% e é seguido por Ciro (13%), Alckmin (11%) e Dias (6%). Os outros não passam de 3%.

Com informações da Carta Capital.

Busca