Publicidade

Mais uma vez oposição tenta barrar avanços na saúde do Maranhão

 

20160401125850

Maranhão da Gente – Mais uma iniciativa do Governo do Maranhão para garantir transformações efetivas na saúde do estado foi alvo de manobra política da oposição. Na tentativa de tumultuar o processo seletivo organizado pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh), espalharam nas redes sociais o cancelamento das provas, confirmadas para o próximo domingo (3). Este será um dos maiores seletivos para a área da saúde já realizados no Maranhão.

Estão sendo ofertadas 7.902 vagas, distribuídas nos níveis fundamental, médio, técnico e superior, para preenchimento de vagas da rede estadual de saúde, com salários que podem chegar à R$ 4.500. Os aprovados nos seletivos atuarão nos hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) situados nas regionais de saúde de São Luís, Imperatriz, Codó, Presidente Dutra, Santa Inês e Timon.

Substituição das OSCIPs

A realização de concursos para substituição das Oscips que atualmente prestam serviço à rede pública de saúde do Maranhão, geram reação no grupo Sarney. Com contratos sob suspeita e denúncias de desvios, a gestão de Ricardo Murad à frente da Secretaria de Saúde durante o governo Roseana Sarney produziu escândalos nacionais, além do colapso do sistema de saúde no Estado.

Desde o início da gestão do governador Flávio Dino, com a substituição das entidades que prestam serviço para a área de saúde, o grupo que controlava politicamente o Estado, se uniu para tentar impedir o fim de privilégios.

Pela primeira vez após várias décadas, a contratação de trabalhadores em hospitais da rede pública estadual é feita com critérios claros e isentos. Em anos anteriores, as contratações não tinham o mínimo de transparência o que resultava em indicações políticas e até alimentação de práticas eleitoreiras utilizando vagas de emprego como moeda de troca para votos.

Busca