Publicidade

Juíz determina 120 dias para empresas de ônibus reformarem Terminais

Terminal de Integração da Cohama. Foto: arquivo

O juiz Douglas de Melo Martins, titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís, determinou  em caráter de urgência que as empresas que exploram o serviço de transporte coletivo da Grande Ilha executem reformas e readequações nos Terminais de Integração por conta dos riscos à segurança dos usuários.

Na decisão, foi estipulado o prazo de 120 dias para os Consórcios sanarem as irregularidades encontradas, como danos na pavimentação interna e rompimento de calhas, como já foi mostrado neste blog (Reveja).

Reclamações dos usuários do transporte coletivo feitas à Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte (SMTT) motivaram a decisão. Durante vistoria feita nos terminais foi constatada uma série de irregularidades, como falta de capina, ausência de adaptação dos banheiros para pessoas com deficiência, falta de piso tátil, além  de ausência de mangueira e hidrantes.

A decisão do juiz Douglas de Melo atinge os Consórcios Taguatur Ratrans/Consórcio Central, Viação Primor e Via SL. As empresas consorciadas alegam que a responsabilidade é da Prefeitura. Segundo os empresários, as estruturas foram recebidas deteriorados.

As reformas e readequações devem ser executadas nos Terminais de Integração do Distrito Industrial, Cohab-Cohatrac, Cohama-Vinhais e da Praia Grande.

Uma audiência de conciliação entre Consórcios e Prefeitura está marcada para o dia 14 de outubro.

Busca