Publicidade

João Alberto terá cinco dias para decidir sobre representação que pede a cassação de Aécio

Resultado de imagem para João Alberto

Do G1 (com edição) – A assessoria do presidente do Conselho de Ética do Senado, João Alberto Souza (PMDB-MA), informou nesta segunda-feira (19) que o parlamentar recebeu a representação contra Aécio Neves (PSDB-MG) e terá, a partir desta terça (20), cinco dias úteis para decidir sobre a admissibilidade do processo.

Aécio foi afastado do mandato no mês passado por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato.

O senador foi um dos principais políticos atingidos pelas delações de executivos da JBS no âmbito da Lava Jato. Diante do que foi revelado pelos delatores, o PSOL e a Rede pediram ao Conselho de Ética a cassação do mandato parlamentar de Aécio Neves.

Após João Alberto Souza informar o prazo de cinco dias úteis, a defesa de Aécio divulgou a seguinte nota: “A defesa do senador reafirma que não houve qualquer afronta ao decoro parlamentar já que se tratou de empréstimo entre pessoas privadas, sem uso de dinheiro público e sem qualquer tipo de contrapartida por parte do senador. Por isso, a defesa entende que a ação deverá ser desconsiderada pelo Conselho de Ética.”

Segundo a Procuradoria-Geral da República, o tucano agiu em conjunto com o presidente Michel Temer para barrar as investigações da Operação Lava Jato e, com base nas delações da JBS, o Ministério Públicou denunciou Aécio pelos crimes de corrupção passiva e obstrução de Justiça.

Leia abaixo a íntegra da nota:

O presidente do Conselho de Ética do Senado, senador João Alberto Souza (PMDB-MA) tomou conhecimento hoje (19/06) da representação em desfavor do senador Aécio Neves (PSDB-MG), apresentada pela Rede e pelo PSOL.

 A representação será analisada pelo presidente do Conselho que terá cinco dias úteis, a partir desta terça- feira, para decidir sobre a admissibilidade ou não do caso.
Busca