Publicidade

Fuga de Pedrinhas não depende de falha, mas de cooperação

Escada, guarita e grades serradas em Pedrinhas: fuga combinada. Foto: Atual7

Garrone – Muita coisa precisa ser explicada sobre a fuga cinematográfica na madrugada de páscoa em Pedrinhas, que vai além da pura e simples admissão de falha, como fizera a nota oficial do governo sobre o caso.

Não há como acreditar que o sucesso da operação de resgate dos presos não tenha participação de agentes públicos dentro e fora da penitenciária.

Desde a inoperância da Polícia Militar e da Polícia Rodoviária Federal que não conseguiram conter os bandidos na própria BR, seja antes do resgate ou na própria fuga, à Secretaria de Justiça e Administração Penitenciária já que os presos serraram as grades das celas e esperavam no pátio pelos comparsas na hora certa em que se dera a assombrosa operação.

Não se resgata presos de dentro de uma penitenciária durante a madrugada sem que estes saibam do próprio resgate!

O mais curioso é que não há no relatório do Batalhão de Choque da Polícia Militar do Maranhão qualquer referência de comunicado à própria Pedrinhas sobre a possibilidade de uma fuga, o que permitiria pelo menos o aumento da vigilância interna do presídio.

Ninguém (bandidos, policiais, presos, etc.) foi pego de surpresa!

O enredo começou às 2h58 da madrugada quando a Polícia Militar foi informada que bandidos teriam roubado uma caminhonete em Chapadinha e estariam em direção à São Luís para resgatar “os comparsas da penitenciária”.

Daí em diante – tudo monitorado e registrado no relatório da PM – foi uma sequência de comunicados sem qualquer ação efetiva para evitar o resgate ou mesmo para prender um ladrão de carro!

Como é que alguém rouba uma pick-up em Chapadinha é visto passando em Morros, passa pela Polícia Rodoviária Federal, e entra em São Luís sem ser minimamente incomodado, com a Polícia sabendo de tudo?

O interessante e o mais curioso ainda nessa história toda é que, segundo relatório do Batalhão de Choque, na troca de tiros com os policiais da Vtr Choque 14, o pneu dianteiro direito e o para-lamas esquerdo da caminhonete dos bandidos foi atingido e mesmo assim com “as avarias” eles “continuaram seguindo em direção a saída de São Luís”!

Quer dizer que eles conseguiram fugir com um pneu furado ?

Para completar o cenário, os bandidos trocam tiros, furam a barreira da Polícia Rodoviária Federal e chegam a trocar de carro durante a fuga. O que nos leva a crer que não houve nenhuma perseguição, pois se assim houvesse não haveria tempo para abandonar a S10 e tomar de assalto uma L200, como registra o próprio relatório da PM.

E mais: Somente às 6h da manhã a caminhonete utilizada pelos bandidos na ação que ocorreu por volta das 4h da madrugada foi localizada pela PRF!

O governador Flávio Dino já determinou uma apuração rigorosa e rápida do caso.

Espera-se as punições não se limitem a quem “falhou”, mas que atinjam a todos os implicados.

É aí que começam as diferenças entre este governo e o que passou, quando ninguém foi punido pela ação da bandidagem no Maranhão, que era comandada de dentro de Pedrinhas.

Não é um atestado de competência ou incompetência dos envolvidos que evitará novas fugas, como as que já ocorrem e não é de hoje.

Jaboti não sobe em árvore. Ou foi enchente ou mão de gente!

 

 

Busca