Publicidade

Força Nacional “vigiava” o Castelão enquanto presos eram resgatados

Relato de um dos PMs que enfrentaram os bandidos

No momento em que policiais da viatura Choque 14, do Batalhão de Choque da Polícia Militar, estavam sob fogo cerrado enfrentando como podiam os bandidos que resgataram 4 detentos do Centro de Detenção Provisória de Pedrinhas, homens da Força Nacional estavam “vigiando” o estádio Castelão.

Apenas quatro PMs enfrentaram oito bandidos armados de fuzis calibre 5.56 e 7.62. Sem informações suficientes, os policiais do Choque não tiveram como, sozinhos, impedir o resgate de presos. Mesmo sabendo da ação dos marginais com 2 horas de antecedência, o Serviço de Inteligência foi incapaz de fornecer informações detalhadas aos PMs que enfrentaram o bando.

Os policiais sequer sabiam quantos bandidos iriam enfrentar ou em que carros estavam. Nenhum reforço foi enviado. Os meliantes agiram sem muitas dificuldades numa falha grave do sistema de segurança. A desvantagem, 8 bandidos contra 4 policiais, resultou no sucesso do resgate.

A Força Nacional, alojada no Castelão em São Luís, poderia ter sido acionada, assim como outras viaturas do Choque, ou o GTA. Mas, deixaram acontecer, simplesmente. Ou por incompetência ou por complacência.

 

Busca