Publicidade

Flávio Dino detona oportunismo da oligarquia e diz que governo Temer sofre sarneyzação

O governador Flávio Dino falou, durante entrevista hoje, sobre sua relação com o governo do presidente Michel Temer e a atual conjuntura política para 2018, sobretudo da tentativa de reaproximação do grupo Sarney com o ex-presidente Lula. Para ele, um bom político precisa ter autenticidade e seriedade, e não agir de forma oportunista, como fazem os membros do clã oligárquico.

Perguntado se sofre algum tipo de retaliação do governo Temer por ter sido contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, Dino disse que o atual presidente está sendo um problema para a sociedade, principalmente do Norte e Nordeste, por cortes em importantes sociais como o Minha Casa, Minha Vida e o PAA (Programa de Aquisição de Alimentos).

“E isso eu tenho colocado muito claramente desde o começo. Porque eu acho que diferente de uma lenda segundo a qual um bom político é aquele que ninguém sabe o que ele pensa e que adere a todos os governos, qualquer que seja ele, de Juscelino Kubistchek a Michel Temer, nós precisamos ter autenticidade. A sociedade cobra cada vez mais autenticidade e sinceridade e eu nunca tive dúvida. A mesma militância jurídica e política que fiz contra o impeachment, faria de novo. Porque, de fato, foi uma violência institucional”, destacou.

Flávio Dino ratificou que sempre discordou muito veementemente do governo Temer, e continua a discordar. “Eu acho o auge do oportunismo, aqueles que fizeram nascer o governo Temer agora já estarem abandonando o governo Temer por oportunismo eleitoreiro. Eu não me filio a esses que mudam de opinião de hora em hora. Eu tenho uma visão clara”, disse Dino criticando o grupo Sarney, que já começa a abandonar o atual presidente para voltar a apoiar o ex-presidente Lula.

Sobre o governo Temer, Flávio Dino disse que “vai continuar desse jeito que está aí. Sequer vai poder lançar uma candidatura a presidência da República. É uma sarneyzação, nada tão parecido o governo Temer do que o Sarney. Se merecem os dois”, disparou.

Busca