Publicidade

Fim melancólico: Festa do Lagostão foi um fracasso de “público”

A festa de despedida de Roseana Sarney “foi fraca”. O que deveria ser uma estrondosa confraternização, se mostrou mesmo uma pequena festa para poucos amigos, políticos e familiares, além de alguns funcionários “mais chegados” da Secom e do Palácio dos Leões.

No local, poucos deputados foram vistos, poucos prefeitos se aventuraram, e a estrela da noite parecia ser o deputado Arnaldo Melo, presidente da Assembleia que está a um passo de se tornar governador por alguns dias. Era “meu governador” pra cá, “meu governador” pra lá. Sempre cercado de puxa-sacos, Melo ofuscou a anfitriã.

Chamada ao palco, Roseana não se fez de rogada. Aliás, tinha que fazer o que adora: aparecer. Para um pequena plateia, Rose “deu um show”, sambou, fingiu que cantou, faltou dar piruetas, numa tentativa de demonstrar euforia e animação. Mas, na verdade, a governadora se esforçava para não deixar transparecer semblante de tristeza por ter de deixar o poder.

O último que sair, apague a luz.

 

 

Busca