Prefeitura de São Luís

ÉPOCA: A derrota de Sarney e a vitória de Dino em livro

 

Guilherme Amado e Victor Farias*

Os bastidores da derrota dos Sarneys nas duas campanhas que Flávio Dino venceu na disputa pelo governo do Maranhão, em 2014 e 2018, são a espinha dorsal deLições de uma campanha eleitoral: a derrota do grupo Sarney , livro em que o marqueteiro e cientista político Juliano Corbellini, coordenador das campanhas de Dino, lançou na semana passada. Em conversa com a coluna, Corbellini disse não haver chance de Dino se tornar um típico coronel da política nordestino.

“É algo completamente diferente [Dino e o modelo de um típico coronel]. (…) Se você olhar a composição do governo, ele [Dino] tem, claro, alguns políticos, mas muitos ascenderam à política nesse movimento de renovação.”

Por que o senhor considera a eleição de Flávio Dino especial?

Nunca o Palácio dos Leões dos Sarneys havia perdido uma eleição para o Executivo estadual e para o Senado. A primeira vez que isso aconteceu foi em 2014, em que a oposição elegeu tanto o governador quanto o senador, e foi o único caso dos estados do Nordeste que conseguiu derrubar a oligarquia regional sem o apoio do poder central [Dino não teve o apoio oficial de Dilma Rousseff em 2014].

Por que a família Sarney perdeu?

Primeiro, pelo próprio desgaste do tempo. Segundo, a opinião pública maranhense começou a ganhar uma autonomia, e a elite política do Maranhão não percebeu isso. E houve também uma reflexão de estética e da linguagem da oposição, em que a gente rompeu com a visão binária de que o Maranhão era dividido entre quem era Sarney e quem era anti-Sarney. (…) Para a oposição vencer, ela teve de romper um pouco com os arquétipos da sua própria linguagem.

Flávio Dino pode se tornar um novo coronel?

Não, é algo completamente diferente. Se você olhar a composição do governo, ele tem, claro, alguns políticos, mas muitos ascenderam à política nesse movimento de renovação. Não são lideranças políticas locais, são a nova vanguarda política que está se formando no Maranhão.

Quando foi eleito pela primeira vez, José Sarney tinha um discurso de modernidade. Essa mesma mensagem foi usada na campanha de Dino. O senhor vê alguma relação entre os dois?

Se você olhar o filme Maranhão 66 , do Glauber Rocha, você verá o discurso de posse do Sarney. Ele fala que o Maranhão não aguentava mais a contradição de ser um estado tão rico com um povo tão pobre. Ele ganhou a eleição e iniciou uma longa era no setor público, com ele e seus aliados. É interessante que, na campanha que a gente perdeu [em 2010], o discurso do Flávio era exatamente este: nós não podemos mais suportar a contradição de ser um estado rico com um povo pobre. A diferença é que o Sarney era um representante do poder central e, em 1966, esse era um discurso modernizador dentro do establishment.

As eleições de 2018 foram marcadas pelor uma polarização nacional mais forte ainda do que a de 2014. Houve alguma mudança de 2014 para 2018 na eleição do Maranhão?

As circunstâncias das eleições nacionais em 2018 foram absolutamente inéditas e até um pouco anômalas no Brasil. O eleitorado brasileiro foi exposto a quatro anos de uma intensa crise política, econômica e de segurança pública, e o que a gente teve em 2018 foram eleitores indignados com a política em geral. Foi uma eleição em que os candidatos não buscaram o meio. No Maranhão, esse ambiente não se repetiu. A estética da campanha do Flávio foi muito parecida com a campanha de 2014, que exaltou a alegria e a beleza do Maranhão.

Qual foi a diferença da campanha de 2014 para a de 2018, com a proibição de empresas privadas doarem?

As campanhas do Flávio sempre foram bem mais modestas, em números, do que as campanhas que a gente enfrentava. O financiamento de campanha foi uma solução, porque estabeleceu um valor por baixo para fazer campanha, um horizonte de razoabilidade e uma certa segurança de fonte de recurso. Então foi uma boa solução. Muito mais estável. [De acordo com dados do TSE, Dino gastou R$7,7 milhões na campanha de 2018, contra R$ 9,45 em 2014.]

* Estagiário sob supervisão de Guilherme Amado.

Radialista e Jornalista, Professor de Comunicação e Oratória, Locutor Publicitário e Apresentador de TV
Busca
Rádio Timbira Ao Vivo
Facebook