Publicidade

Eleições 2016: Neto Evangelista no páreo em São Luís

Escrevi aqui no blog em 2015 sobre a participação de Neto Evangelista no jogo da sucessão municipal em São Luís. Na época, o secretário estava empolgado com a ideia, especialmente em razão de manifestação da direção nacional do seu partido, o PSDB, de ter candidato próprio na disputa, e que Neto seria o nome mais provável. Presidente estadual da legenda, o vice governador Carlos Brandão ficou animado em ter o jovem Evangelista na disputa.

Depois disso, a ideia parece que foi perdendo força e levemente caindo no esquecimento, talvez um erro inocente do próprio Neto, que deveria ter mantido alimentando seu desejo, principalmente em seu grupo. Mesmo que, ao final de tudo, sua candidatura não fosse lançada, seu nome estaria em evidência, o que soma muito no saldo político. É assim que funciona o jogo.

Leia mais: Neto Evangelista com a bola toda, hein?

Neto se mostra um dos melhores quadros do governo, e, certamente, não tem nada a perder se entrar de fato na disputa das eleições municipais deste ano. E parece que ele acordou, tomara que não muito tarde. Ainda assim, melhor tarde do que nunca. Para quem achava que Neto Evangelista já não tinha mais interesse na disputa, ledo engano. Mais vivo do que nunca, o secretário trabalha para viabilizar seu nome, tendo recebido sinal verde da direção nacional do PSDB.

O empecilho no caminho de Neto pode ficar por conta de conjuntura externa. Se dentro do partido, o caminho parece fácil, do lado de fora Eliziane Gama tenta arrematar a legenda para sua chapa. Mais do que agregar o PSDB para disputar a prefeitura de São Luís, Gama estaria eliminando antecipadamente um forte adversário. É o jogo. É assim.

O que não dá pra negar é que Neto Evangelista não é carta fora do baralho. E, se entrar na disputa, vai sair com mais voto do que muita gente pensa. Carismático, simpático, jovem, à frente de secretaria responsável por boa parte dos programas sociais do governo, Evangelista poderá ser a surpresa da disputa. E a direção do PSDB seria muito burra se abrisse mão de um projeto próprio em nome de uma coligação com Eliziane, uma figura política conhecida por não sustentar no almoço o que diz no café da manhã.

 

Busca