Publicidade

Com Bira fora da Assembleia, governo perde

Bira do Pindaré

Certamente, é um grande desfalque na defesa do governo a saída do deputado Bira do Pindaré (PSB) da Assembleia Legislativa rumo à Secti – Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Pior ainda com um líder de governo como Rogério Cafeteira (PSC).

Na sessão desta terça-feira (03), isso ficou evidente. Bira subiu à tribuna em defesa do governador Flávio Dino logo após Andrea Murad proferir discurso para o qual foi treinada, contra o governador. Em tom firme, discurso articulado e fundamentado, o deputado pessebista desbancou fácil a ladainha repetitiva e insegura da deputada pemedebista.

Já o líder do governo, Rogério Cafeteira, subiu à tribuna para repetir as palavras de Bira – sem a mesma convicção, evidentemente – e demonstrar o quanto é fraco para ocupar o cargo de líder. Voz mansa (até demais), insegurança latente, discurso pobre e, aparentemente, constrangido na defesa de quem há bem pouco tempo críticava veementemente.

Sem os ex-deputados estaduais Marcelo Tavares e Rubens Jr., com o deputado Othelino Neto (PC do B) ocupando a vice-presidência da Assembleia, parece que não sobrou ninguem além de Bira com capacidade expressiva de sair em defesa do governo na tribuna. Talvez, e só talvez, o novato Marco Aurélio (PC do B) possa galgar esse espaço. Intimidade com a tribuna ele tem. Fora esses, sobra Edivaldo Holanda (PTC), experiente e bom de palanque. A questão é se ele vai sair em defesa do governo “de ofício”, sem ser convidado.

Sem Othelino, sem Bira e com Rogério de Líder do governo, a sorte, por enquanto, é ter na oposição só Andrea Murad. Pode ser arriscado “pegar em fio pelado” com Adriano Sarney (PV) logo, logo. Mas, aí é aguardar pra ver. Ainda é cedo.

 

 

Busca