Publicidade

Casa de ferreiro, espeto de pau: MP do Maranhão é o terceiro pior do país no quesito transparência

De acordo com o  ranking trimestral da Comissão de Controle Administrativo e Financeiro do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), que avalia o cumprimento do Portal da Transparência do Ministério Público brasileiro, o Ministério Público do Maranhão (MPMA)  é o 3º pior, ocupando a 29ª posição. Isso significa que quando o assunto é prestar informações sobre compras e licitações, por exemplo, o MPMA é o terceiro que mais sonega informações. Isso não é nada transparente. Na verdade, para um órgão com as atribuições do Ministério Público, essa situação se encaixa perfeitamente no adágio popular “casa de ferreiro, espeto de pau”.

A situação se configura em mais um desafio para o novo novo procurador-geral de Justiça do Maranhão, Luiz Gonzaga, escolhido recentemente pelo governador Flavio Dino para  assumir o Ministério Público do Estado. Gonzaga herda essa “bagunça” da procuradora Regina Almeida Rocha que está de saída do comando do MPMA para a entrada de Gonzaga.

ESPETO DE PAU

Um dos casos mais escandalosos envolvendo o MPMA diz respeito ao prédio da Promotorias de Justiça da Capital, na avenida Carlos Cunha, bairro Jaracaty. Conhecido como “espeto de pau, a obra de construção do imóvel consumiu milhões de reais em recursos públicos e nunca ficou pronta. 

Idealizada em 2007, a obra do prédio já teve intervenção de várias construtoras, sofreu inúmeras interrupções, consumiu muito dinheiro, teve a entrega adiada outras tantas vezes, e, depois de tudo isso, até falhas estruturais foram apontadas em laudo técnico. 

Para um órgão que tem entre suas atribuições fiscalizar a aplicação da lei, a defesa da ordem e da sociedade, o “espeto de pau” é uma desmoralização. 

 

“Espeto de pau” do MP do Maranhão

 

 

Busca