Publicidade

CAMPANHA POLÍTICA 2008. MAIS TOSCA DO QUE NUNCA.

Começaram os programas de Rádio e TV da campanha eleitoral 2008. Uma coisa não mudou: os velhos candidatos toscos com nomes estranhos e uma apresentação bizarra continuam aparecendo. Uns já são velhos conhecidos; outros chegam para completar o quadro. Mas tudo bem. Eles são os sem-noção mesmo.

Agora o que me deixa entristecido é ver (e ouvir) o nível da produção desse material. Pra ser bonzinho, dá pra chamar de tosco. Mas é fácil entender: deixaram de lado bons profissionais – que, por serem bons, merecem ser bem pagos – para contratar alguns amadores, gente sem know-how, sem registro profissional, etc. por um precinho mais camarada.

Tem locutor de língua presa e “dente serrado” fazendo a campanha de Luis Fernando em São José de Ribamar, tem cantor-metido-a-locutor locutando os programas de Flávio Dino, tem vinhetas feitas nas coxas no rádio e na TV, o único jingle (dos candidatos a prefeito) que presta até agora é o de Castelo, as edições dos programas de rádio são um primor – dos que ouvi só prestam dois. E não pára por aí. Prestem atenção no material gráfico de alguns candidatos. O conceito é muito tosco.

Aí, enche de gente de fora – que também não é lá essas coisas – trabalhando e tirando a oportunidade dos (bons) profissionais daqui fazerem um bom trabalho e ganharem o seu ‘bom dinheiro’, que só dá mesmo pra ganhar nessa época. Agora nem isso mais. Cuidem-se, caros colegas da publicidade maranhense, estão mexendo no nosso queijo. Pensem em como mexer com o queijo deles. Eu já mexo há algum tempo.

Depois vêm esses (políticos) demagogos pra frente da TV falar em geração de Empregro e Renda, Movimentar a Economia Local, blá, blá, blá… Tudo conversa fiada. A primeira coisa que seu Castelo fez foi contratar marqueteiros de fora a peso de ouro. E junto vem uma cambada de “profissionais de fora”, afinal o que vem de fora sempre é melhor que a gente daqui, né, pessoal? Pois lá na terra deles eu é que sou de fora, e faço sucesso. Ah, a agência do Flávio Dino também é de fora. Lembram daquele primeiro panfleto dele ao lado do Lula totalmente tosco? Pois é. Mas esse pessoal de fora é melhor que o nosso.

Nada do que escrevi aqui é novidade, mas este ano a coisa desandou de vez.

A minha solidariedade aos colegas locutores e locutoras Ludovicenses, aos profissionais da publicidade, aos editores de áudio e de vídeo, a todos que ficaram de fora da Campanha este ano porque colocaram amadores em seu lugar ou “gente de fora”, ou porque não quiseram se sujeitar à remuneração de miséria que lhes foi oferecida.

Jeisael Marx

Busca