Publicidade

Cadela é esfaqueada nas dependências da faculdade Pitágoras e alunos reclamam da estrutura de novo prédio no Turu

Na manhã desta terça-feira (27) uma cadela chamada Nemeria foi encontrada esfaqueada nas dependências da faculdade Kroton/Pitágoras, em São Luís.

A cadela foi encontrada pela proprietária de uma lanchonete na área interna da instituição de ensino superior. O animal foi socorrido e levado a uma veterinária, todo ensanguentado e gritando de dor, segundo relato de testemunhas. 

Cadela que foi esfaqueada

“Como está com muita infecção e inflamação na cabeça, a gente deve fazer alguns exames de sangue e tratar com analgésico e antibiótico. Mas quanto aos exames de imagem, vamos esperar desinflamar porque o estado atual pode afetar o diagnóstico”, afirmou a  veterinária que cuida de Nemeria. 

A profissional disse ainda que ela pode ficar cega. 

“Fizemos a limpeza da área, alguns suturas dos ferimentos de facada. Em relação aos olhos, pode ser que perca a visão”, informou. 

Em nota, a instituição de ensino disse que a violência teria sido praticada por um vigilante terceirizado, que foi afastado de suas funções. A faculdade diz ainda que procurou a Delegacia do Meio Ambiente e registrou um Boletim de Ocorrência (BO), contra o suspeito das agressões. 

Veja nota: 

A faculdade Pitágoras de São Luís – Campus Turu I – MA esclarece que repudia veementemente qualquer ato de violência contra animais. A faculdade esclarece que, preventivamente, afastou o vigilante terceirizado, responsável pela segurança do local, procurou a Delegacia de Meio Ambiente para registro da ocorrência e está apurando internamente o fato para tomar todas as medidas cabíveis junto aos responsáveis. A instituição reitera que permanece à disposição para sanar quaisquer dúvidas adicionais“, afirma a nota 

Além do caso de mal trato à cadela, estudantes denunciaram problemas na infraestrutura do novo anexo da faculdade que fica poucos metros após a sede da Pitágoras. Em fotos é possível ver a situação questionável do elevador do prédio recém inaugurado.  

Segundo os estudantes, apesar de o prédio ser novo, parece que o equipamento é usado. O piso está enferrujado e diariamente acontecem problemas. 

“Uma amiga nossa ficou presa no elevador e foi resgatada em pânico. Os vigilantes disseram pra gente entrar somente em pares, e agora tá todo mundo subindo pela escada, porque pararam de vez”, denunciou uma estudante que preferiu não se identificar. 

“Desde que começou nossas aulas que não tenho coragem de entrar no elevador. Meus amigos disseram que além de tremer muito, quando funciona faz muito barulho”, revelou outro denunciante, que também preferiu se manter no anônimato. 

Confira as fotos: 

 

Ferrugem em piso de elevador causa insegurança em alunos 
Elevador fechado. Segundo estudantes, equipamento passa a maior parte do tempo danificado 

Ainda sobre o caso da cadela, fomos informados que a Comissão de Direitos e Proteção dos Animais, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MA), entrou no caso, e cobra a punição dos responsáveis e instituição de ensino.

Com informações do blog do Antenor Ferreira 

Busca