Publicidade

Cada mãe tem seu jeito de amar

Por Glória Barreto

Como o Dia das Mães de aproxima, eu estava em busca de um poema para falar do amor materno quando lembrei da descrição bíblica para o AMOR:

 

“O amor é paciente, o amor é bondoso.

Não inveja, não se vangloria, não se orgulha.

Não maltrata, não procura seus interesses,

não se ira facilmente, não guarda rancor.

O amor não se alegra com a injustiça,

mas se alegra com a verdade.

Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta”.

1 Coríntios 13:4-7

 

O trecho bíblico explica as características do amor. Mas eu te convido a ler o texto acima novamente, só que desta vez substituindo a palavra “amor” pela palavra “mãe”. Vamos lá?

Agora, depois de reler, você notou que a maioria das características combinam? Eu sei que não existem mães perfeitas, mas elas emitem um pouco deste amor puro identificado nas escrituras. Talvez, Deus tenha criado a maternidade para que você e eu possamos sentir um pouco do Seu amor aqui na terra e, por isso, seja tão complexo explicar o amor de mãe.

O amor materno é cheio de atitudes. Elas deixam de comer para dar aos filhos, passam noites acordadas cuidando do filho doente e juram de “pés juntos” que não têm filhos preferidos, mas conseguem amá-los de forma distinta e igualmente grandiosa.

Quando criança comparamos nossas mães com outras, mas elas são diferentes porque demonstram seu querer de forma exclusiva. Existem mães que amam preparando “quitutes” na cozinha, outras são carinhosas fisicamente, algumas adoram dar presentinhos, umas sabem ouvir e aconselhar e tornam-se as melhores amigas ou confidentes e, por fim, existem as que fazem da vida do filho sua única prioridade.

Na infância, dificilmente compreendemos essas diferenças, mas na vida adulta é preciso ter uma visão do todo, porque nossas mães tendem a repetir o que aprenderam com nossas avós. Aprimorando atitudes que não apreciavam e intensificando os “mimos” que admiravam, ou seja, são práticas que vêm sendo imitadas há várias gerações.

Infelizmente algumas mães não são tão altruístas e amorosas. Existem aquelas que abandonam seus filhos, e os pequenos nunca poderão experimentar a sensação de amparo materno. Para estes filhos Deus deixou uma promessa, veja o que diz o verso: “Será que uma mãe pode esquecer do seu bebê que ainda mama e não ter compaixão do filho que gerou? Embora ela possa se esquecer, Eu não me esquecerei de você!” Isaías 49:15

Portanto se você não tem uma mãe para celebrar a data que se aproxima, lembre-se que você tem um Pai que é “paciente, bondoso, … que tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta” e que jamais esquece de ti.

 

 

Busca