Publicidade

Bancada maranhense vota contra andamento do processo na Comissão de Impeachment

A comissão especial de impeachment da Câmara dos Deputados aprovou, na noite da última segunda-feira (11), por 38 votos a favor, 27 contrários e nenhuma abstenção, o parecer do relator Jovair Arantes (PTB-GO), que recomendou a abertura de processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff.

Dos três deputados federais maranhenses que compõem a comissão, todos votaram contra o andamento do processo contra a presidente Dilma Rousseff na Câmara. Weverton Rocha (PDT) e Júnior Marreca (PEN) são de partidos que fazem parte da base aliada do Palácio do Planalto e que já haviam orientado sua bancada a votar contra o andamento do processo.

Já no caso de João Marcelo Souza (PMDB), não há por parte do partido uma posicionamento oficial contra ou favor do impeachment. A decisão da legenda foi por liberar os seus deputadores a votarem como quisessem.

Dentre os parlamentares maranhenses que compõe a comissão, Weverton Rocha já havia se posicionado anteriormente contra o impeachment de Dilma Rousseff. O parlamentar tem agido juntamente com a base aliada para tentar barrar o prosseguimento do processo. Weverton chegou a entrar com um mandato de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) na tentativa de impedir que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) adotasse regras que, de acordo com o deputado, podiam prejudicar a presidente Dilma Rousseff durante a votação do impeachment no plenário.

Já Junior Marreca justificou seu voto afirmando que a comissão especial do impeachment se transformou em palco de “uma disputa meramente pelo poder”. “Não estamos cassando mandato de uma presidente por algo que ela cometeu, mas por uma briga de espaço de poder”.

 

Busca