Author Archives: Jeisael Marx

Radialista e *Jornalista, Professor de Comunicação e Oratória, Locutor Publicitário e Apresentador de TV, apaixonado por carro antigo e motociclismo.

*em formação.

Roberto Rocha leva puxão de orelha do jornal de Sarney e recua de insinuações maldosas

Integrante do “laranjal” de candidatos da oligarquia Sarney que disputarão o governo do Estado no ano que vem, o senador Roberto “Asa” Rocha levou um verdadeiro puxão de orelhas do patriarca da família, José Sarney, depois de insinuar no Twitter que Carlos Lupi e Weverton Rocha são qualiras e teriam uma relação homossexual.

Carlos Lupi, presidente nacional do PDT, classificou Roberto como um traíra ao defender o nome do deputado federal Weverton Rocha para o Senado federal, que este sim seria fiel e leal. (Veja aqui)

Entretanto, a reação de Roberto Rocha foi além da seara política e ofendeu a honra das famílias de Lupi e Weverton, veja:

O jornal O Estado do Maranhão, pasquim de propriedade da família Sarney, trouxe na edição desta segunda-feira (03) que Roberto Rocha “foi mal” ao fazer insinuações de que os pedetistas têm um caso. “A questão é: e se tivessem, a quem isso interessaria? E mais: qual a relevância disso para o debate político-eleitoral”, questionou o pasquim dos Sarneys.

A falta de compostura de Roberto Rocha aumentou, ainda mais, a sua já estratosférica rejeição, o que atrapalha os planos do clã para o seu laranjal. Por isso a preocupação de José Sarney, haja vista a repercussão negativa do caso. Asa de Avião foi detonado pela opinião pública maranhense e por vários políticos.

Além da péssima repercussão, o medo em ter de responder mais um *processo no Supremo Tribual Federal, já que Weverton Rocha declarou que sua mulher acionaria o senador na justiça, fez Roberto Rocha recuar. Ele acabou fazendo uma retratação pública dos comentários maldosos e preconceituosos arrotados via rede social contra Carlos Lupi e Weverton Rocha.aqui)

 

 

*Roberto Rocha já teve inquérito instaurado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a respeito da sua prestação de contas. A procedência é de um processo do Ministério Público Federal (MPF) do Maranhão.

Operação da Polícia na Saúde: dois pesos e duas medidas?

Rapá, nos meios jurídicos maranhenses reinam muitas dúvidas sobre os recentes movimentos da Polícia Federal.

Ontem havia uma fúria atípica nas declarações de delegados sobre supostos 400 funcionários fantasmas na saúde, cujos nomes ninguém sabe e ninguém viu. E sobre uma suposta sorveteria, transformada em empresa médica, sem que aparecesse o contrato assinado por qualquer autoridade do Governo do Estado.

Enquanto isso, ninguém sabe informar sobre o destino das falcatruas perpetradas por Ricardo Murad, apontado pela propria PF como chefe de Organização Criminosa que teria movimentado mais de R$ 1 bilhão da Saúde no governo Roseana.

 Naquele tempo, jamais houve qualquer processo seletivo, nem para funcionários, nem para nada. E até hoje ninguém viu qualquer condenação judicial sobre isso, e Ricardo no maximo foi conduzido coercitivamente para prestar esclarecimentos. Por menos, muito menos que R$ 1 bilhão, teve gente presa agora.

Não se pode afirmar nada. Mas que tá esquisito, isso tá.

Em tempo, o blog faz questão de deixar claro que, não importa quem seja, de que partido for, de que governo for; não importa se roubou 1 real, R$ 1 milhão ou R$ 1 bilhão, corrupto é corrupto, bandido é bandido. E tem que pagar na Justiça. Não se pode entretanto agir com dois pesos e duas medidas. Não existe “meu malvado favorito”.

Os novos planos de Sarney para abafar a Lava Jato

Para a jornalista do G1, Andreia Sadi, que acompanha dos bastidores as movimentações políticas em Brasília, está claro: o oligarca José Sarney fez lobby junto ao presidente Michel Temer (PMDB) pela escolha do delegado Fernando Segóvia como novo diretor da Polícia Federal.

Segóvia já foi superintendente da PF no Maranhão e é aliado de longa data de Sarney. Um dos questionamentos suscitados após a indicação de Segóvia para o cargo é sobre os rumos que ele dará à Lava Jato ao assumir o comando da Operação.

Para vários analistas, a estratégia da dupla Sarney/Temer em alçar Segóvia ao cargo serviria como mais uma manobra para tentar abafar a Lava Jato, já que a indicação do novo chefe da PF teria contado com apoio de políticos do PMDB investigados pela Operação, como o senador Romero Jucá e o ministro-chefe da Casa Civil, Edson Padilha.

A visita que Sarney fez a Temer no Palácio Jaburu, no último sábado (4), sustenta ainda mais as especulações de que o ex-senador teria agido de forma contundente para garantir a indicação ao seu apadrinhado. O objetivo de Sarney e Temer seria desvirtuar os rumos das investigações, uma vez que Fernando Segóvia terá autorização para trocar os demais diretores da cúpula da Polícia Federal.

Ventila-se ainda que, a menos de um ano da eleição de 2018, e de olho na candidatura da filha, a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), a mudança na direção da PF seria ainda usada por Sarney como artifício para supostamente “incriminar” adversários ou “criar” operações para perseguir seu maior adversário na atualidade, o governador Flávio Dino (PCdoB).

É aguardar pra ver. Depois não digam que não foi avisado.