Publicidade

Ações integradas da polícia garantem combate ao crime no Maranhão

O trabalho de reestruturação e reforço das policias Militar e Civil, além dos investimentos em segurança pública implementado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) desde o início da sua gestão, começam a mostrar cada vez mais resultados positivos em todo o Estado. Na Região Metropolitana de São Luís, somente durante o mês de fevereiro, 354 pessoas foram presas em flagrante, sendo 21 só na semana passada na capital e 40 em outros pontos da região metropolitana.

O trabalho ostensivo da polícia resultou ainda em 59 infratores encaminhados à delegacia presos em flagrante entre quinta-feira (25) e domingo (28) do mês passado nos municípios de São José de Ribamar, Raposa, Paço do Lumiar, Alcântara, Bacabeira, Rosário, Santa Rita e São Luís.

Somente na capital, a polícia capturou 219 pessoas no último mês. O posicionamento adequado dos policiais militares na capital maranhense e a definição de estratégicas que aproximam a polícia da comunidade são apontadas pela Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP) como principais medidas aplicadas no combate à criminalidade.

No âmbito geral, o reforço na segurança pública fez ainda com que São Luís caísse onze posições entre as cidades mais perigosa do mundo, após décadas de descaso dos governos anteriores, que acabou culminando, por exemplo, em uma crise sem precedentes no sistema penitenciário durante a gestão da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB).

Segundo o secretário estadual de Segurança Pública, Jefferson Portela, foram pontuadas 17 áreas prioritárias de onde a força policial se ramifica para as demais regiões. “A distribuição da Polícia Militar nas 17 áreas estratégicas – que foram mapeadas e receberam posicionamento policial adequado – possibilitam controle maior para evitar a prática criminosa e para capturar suspeitos. Temos tido uma ação integrada das polícias. A Polícia Civil tem trabalhado na lavratura dos autos de prisão e nos procedimentos necessários. Somente em 24 horas, na última quinta-feira, tivemos 21 prisões em flagrante delito, o que significa uma intervenção policial rápida e com resultados. A ação tem sido muito forte nessas duas vertentes policiais e tende a aumentar”, afirmou Jefferson Portela.

Dentre as principais prisões em flagrante estão prisões por tráfico de drogas, porte ilegal de armas, furtos e homicídios. De acordo com o coronel Pedro Ribeiro, as abordagens permitem à polícia maior poder de identificação de suspeitos e consequente prisão destes, quer pelo próprio sistema interno quer pelo porte de armas, uma das características de reincidentes. Para ele, as operações da PM, como a ‘Cerco Total’, ‘Malha Metropolitana’ e ‘Transporte Seguro’ têm facilitado a percepção de crimes e a detenção de criminosos.

Outra ação que possibilitou o aumento do número de prisões em fevereiro foi a distribuição de viaturas em 17 pontos base. Nas grandes rotatórias, as viaturas configuram uma ação de presença, contemplando o aspecto de visibilidade da polícia e viabilizando o policiamento nas áreas adjacentes. “Em cada viatura, há um cartão-programa, que desenha toda a movimentação da viatura durante o dia, sinalizando quando deve haver paradas e rondas”, disse o coronel Pedro Ribeiro, que destacou o alcance desta ferramenta.

Além disso, as viaturas postas nos pontos funcionam como referência à comunidade e oferecem atendimento imediato da polícia. Outro benefício é a possibilidade de interceptação de fugitivos com as contenções nas vias. “Em casos de assaltos, há uma mobilização para a prisão dos criminosos”, completou o comandante do Cpam I.

Combate a assaltados a bancos

Prisões no interior do estado também foram efetuadas, a partir de investigações policiais. A Polícia Civil trabalha fortemente na investigação de assaltos a bancos e tem cercado as zonas de maior concentração de crimes para garantir a punição dos criminosos. Nesta segunda-feira (29), a Polícia Civil apresentou quatro pessoas presas suspeitas de terem organizado e executado assaltos a bancos no interior. Outros crimes contra a vida também têm sido monitorados e perseguidos pela polícia até a elucidação.

Na semana passada, por exemplo, a Polícia Civil prendeu Raimundo Nonato Spindola Meneses, 39 anos, acusado de participar do linchamento de Francisco das Chagas Lima Santos, que faleceu horas depois do crime, em São Bernardo. Segundo o delegado Alex Rêgo, titular em São Bernardo, o linchamento foi provocado por Raimundo Nonato, que acusou a vítima de ter furtado uma motocicleta. A Polícia localizou o acusado no entorno da cidade, com quem encontrou armas de fogo indevidamente e dinheiro. Raimundo Nonato foi preso por porte ilegal de armas e homicídio qualificado.

Busca