Bardal não irá à Câmara em Brasília para prestar depoimento à deputados

A audiência pública que estava marcada para acontecer no próximo dia 2 de julho na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara Federal, em Brasília, provocada pelo deputado federal e ex-secretário de segurança pública, Aluísio Mendes (Pode), não será mais realizada.

Acontece que, mesmo com autorização da justiça, o ex-delegado Tiago Bardal, que comandava a Superintendência de Investigações Criminais do Maranhão (SEIC), não poderá participar da audiência, que vinha sendo tratada por alguns como um espetáculo montado por Aluísio Mendes, contra o atual secretário de segurança pública do estado, Jefferson Portela.

Portela concedeu uma entrevista com tom corrosivo ao programa Ponto Continuando, se referindo às acusações de Aluísio Mendes, a quem chamou de “covarde” e mencionou que o mesmo é quem deveria dar explicações públicas, lembrando o caso da a Operação Boi Barrica, em que o hoje deputado foi pego informando Fernando Sarney sobre a operação. (Reveja)

Em resposta, Aluísio Mendes usou a tribuna da câmara para chamar Portela de “bufão” e “desequilibrado”, ameaçando, inclusive,  prende-lo, caso o mesmo faltasse com respeito durante a aguardada audiência. (Reveja)

Tiago Bardal cumpre prisão preventiva desde novembro do ano passado sob a acusação de integrar esquema de proteção a uma quadrilha de assaltantes de banco no interior do Maranhão.

Acontece que no entendimento dos parlamentares, a oitiva de pessoa submetidas a pena privativa de liberdade ou a prisão processual só pode ocorrer quando solicitada por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) ou pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. O impedimento está exposto no ato de nº 52, de 17/09/2015, da mesa diretora da Casa.

Vamos aguardar os próximos capítulos dessa novela.

 

 

Radialista e Jornalista, Professor de Comunicação e Oratória, Locutor Publicitário e Apresentador de TV
Busca
Rádio Timbira Ao Vivo
Facebook