Novas aquisições levantam audiência da Difusora em todo o MA

jeisael marx

Blog do John Cutrim – As contratações feitas pelo Sistema Difusora alavancaram a audiência da televisão e rádio em todo o Estado. Nesta nova fase, sob a coordenação do diretor de jornalismo, Tiago Soares, nomes de peso como Jeisael Marx, Leandro Miranda, Clodoaldo Corrêa, Jorge Vieira entre outros deram uma nova formatação a emissora da Camboa. Jornalismo com qualidade, crítica inteligente e boa informação foram agrupados à programação do conglomerado.

Grande sucesso com o “Qual é a Bronca?” na TV Cidade (Record) durante quatro anos, o jornalista e blogueiro Jeisael Marx chegou à Difusora (SBT, canal 4) e apresenta o programa ‘Na Hora D’, de segunda a sexta-feira, ao meio dia. Em cinco meses, Marx, de talento e versatilidade indiscutíveis, conseguiu atrair telespectadores fiéis que o acompanham ao longo da carreira para a Difusora. Em pouco tempo o programa alcançou enorme popularidade e disputa, em pé de igualdade com a concorrente, a liderança do horário.

clo e jo

Ainda na TV outra inovação é o ‘Resenha’, apresentado pelos conceituados blogueiros Clodoaldo Corrêa e Jorge Vieira (dupla Clô e Jô todos os sábados das 9h às 10h). É o único programa hoje de debates ao vivo na televisão maranhense. A primeira entrevista foi com o governador Flávio Dino, fato que gerou repercussão em todo o estado. A qualidade, perspicácia e expertise dos entrevistadores fazem a diferença.

pp

Já na rádio (94.3 FM) quem chegou com tudo foi o blogueiro Leandro Miranda, do polêmico blog Marrapá. Na companhia dos primorosos radialistas Marcelo Minard, Paulo Negrão, diretamente de Imperatriz, e o maestro Mauro Blug, o ‘Ponto e Vírgula’ liderado por Miranda caiu no gosto popular. Na faixa das 18h às 19h, na volta do trabalho, a cidade toda fica ligada nos últimos acontecimentos e bastidores da política do Maranhão. Notícias em primeira mão, conteúdo e análise qualificada torna o programa líder disparado de audiência no rádio maranhense.

E quem só ganhou com isso foi a Difusora por agregar excelentes profissionais à sua programação.

Share and Enjoy

Comentários

Comentários1

MP pede afastamento do prefeito de Itapecuru-Mirim por fraude em licitação

Após verificar irregularidades em licitação de show comemorativo de aniversário do município de Itapecuru-Mirim, o Ministério Público do Maranhão propôs, em 19 de agosto, Ação Civil Pública por atos de improbidade administrativa contra o prefeito Magno Rogério Siqueira Amorim; o secretário municipal de Cultura e Turismo, João Ricardo Ribeiro, e o pregoeiro da Comissão de Licitação, Ricardo Barros Pereira. A ACP também tem como alvos a empresa JRC Produções e o seu sócio-proprietário Jaime da Rocha da Costa.

Como medida liminar, a promotora de justiça Flávia Valéria Nava Silva, autora da ação, solicitou o afastamento de Magno Amorim do cargo. Também foi requerido à Justiça que determine o bloqueio dos bens de todos os envolvidos.

FRAUDES

O MPMA constatou que a licitação do show comemorativo de aniversário da cidade, ocorrido em 21 de julho de 2016, com custo total de R$ 121.865,00, apresentou diversas irregularidades.

A sessão pública para o recebimento das propostas para a licitação ocorreu em 20 de julho de 2016, enquanto a prestação dos serviços – o show objeto da contratação com a cantora Márcia Fellipe – foi realizado logo no dia seguinte, em 21 de julho.

Para a promotora de justiça, não houve tempo hábil para a organização da apresentação. “A única licitante a comparecer na sessão pública foi contratada em um dia pelo prefeito e, no dia seguinte, já teve tempo para organizar e trazer o show?”, questionou, na ação, Flávia Nava.

Igualmente foi verificado que, na página da cantora no Facebook, o show em Itapecuru-Mirim já era anunciado desde o dia 21 de junho, ou seja, exatamente um mês antes. “Sem muito esforço de raciocínio, conclui-se que o pregão presencial n° 058/2016 ocorreu de forma ilegal, criminosa e fraudulenta”, afirmou a representante do MPMA.

Outras irregularidades atestadas no procedimento licitatório foram: insuficiência de pesquisas de preços, ausência de comprovação da existência de recursos orçamentários, publicidade insuficiente, além da inexistência de inúmeros documentos exigidos pela legislação.

PEDIDOS

Também foi solicitada à Justiça a condenação de Magno Rogério Siqueira Amorim à perda do mandato de prefeito e que todos os envolvidos sejam condenados à suspensão dos direitos políticos pelo prazo de oito anos, ao ressarcimento integral do dano causado ao erário municipal (R$ 121.865,00), mais os acréscimos legais incidentes no caso; à proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, pelo prazo de cinco anos, e, no caso específico do prefeito, do secretário municipal e do pregoeiro, ao pagamento de multa civil no valor de 100 vezes o valor da remuneração recebida em agosto de 2016.

A 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Itapecuru-Mirim requereu, ainda, que a empresa JRC Produções (Jaime R. Da Costa – ME) seja condenada ao ressarcimento integral do dano, mais os acréscimos legais incidentes no caso; à proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, pelo prazo de cinco anos, e ao pagamento de multa civil no valor de 100 vezes a quantia adquirida irregularmente como pagamento dos serviços realizados ao município.

Share and Enjoy

Comentários

Comentários1

Juiz vê indícios de improbidade administrativa no gabinete móvel de Wellington

O gabinete móvel que pode complicar ainda mais a vida do deputado Wellington do Curso

Blog do Garrone – O Juiz eleitoral Manoel Matos de Araujo Chaves ao condenar o candidato Wellington do Curso (PP) por propaganda eleitoral antecipada no caso do Gabinete Móvel, também revelou a possível utilização de recursos da Assembleia Legislativa para fazer campanha política. 

Em sua decisão, Manoel Matos diz que estabelecia uma multa (R$ 20 mil) superior ao mínimo legal por considerar, dentre outros agravantes,  que Wellington utilizou o seu mandato eletivo de deputado estadual para promoção pessoal, violando regras constitucionais sobre publicidade oficial e da Lei Eleitoral que proíbem o uso de materiais ou serviços “custeados pelos Governos ou Casas Legislativas”.

wellington decisão

O Gabinete Móvel, inaugurado dia 24 de maio passado, não passa de uma van plotada com uma grande imagem do deputado para circular a cidade e atender as solicitações feitas através do número (98)-99911-0011, divulgado à época.

– O nosso gabinete, na Assembleia, está sempre de portas abertas, mas eu e minha equipe percebemos que é preciso fazer mais… é preciso ouvir quem também sequer consegue chegar à Assembleia – explicou Wellington sobre o seu projeto.

Se a Justiça Eleitoral considerou que o deputado fazia propaganda antecipada com o uso do tal gabinete, e este é parte de uma atividade parlamentar e por ela financiada, o Ministério Público não precisar andar sob quatro rodas para alcançar Wellington do Curso e acusá-lo por improbidade administrativa.

A Constituição Federal em seu artigo 37, parágrafo 1º, estabelece que “a publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos”.

Só não pega se não quiser!

Share and Enjoy

Comentários

Comentários1